O peditório anual da Cáritas Portuguesa arranca esta quinta-feira com milhares de voluntários, que irão fazer a recolha de fundos destinados a apoiar as mais de 400 pessoas que diariamente recebem apoio instituição.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Cáritas Portuguesa, Eugénio Fonseca, apelou aos portugueses para darem o seu contributo no peditório nacional, que é de uma «importância fulcral» para a organização.

«Todas as pessoas são convidadas a dar o seu contributo. Eu costumo dizer que cinco cêntimos, 50 cêntimos, um euro juntos a muitos outros poderão representar o aliviar das carências de milhares de famílias portuguesas.»


Eugénio Fonseca explicou que o peditório é fundamental porque muitas Cáritas diocesanas dependem deste dinheiro para apoiarem as famílias carenciadas da sua região ao longo do ano.

Lembrou que os católicos também podem contribuir na coleta na missa de domingo, em que os valores angariados serão entregues à Cáritas da diocese local para «ajudar às necessidades mais elementares das pessoas» que residem nessa localidade.

Os não podem dar um contributo material, «podem fazer uma coisa que é muito importante» para os milhares de voluntários que vão estar na rua a apelar «à generosidade e à partilha»: «podem dar uma palavra de incentivo, um sorriso, dizer que vale a pena continuar a lutar contra este flagelo da má distribuição da riqueza que existe em todo o lado e também no nosso país», disse Eugénio Fonseca.

«O nosso apelo é para que todos os cidadãos se sintam, por um lado, parte do problema e, por outro, comprometidos na procura de soluções que façam frente às verdadeiras causas da pobreza em Portugal.»


Sobre as expectativas para o peditório, que termina no domingo, Eugénio Fonseca disse que não sabe «o que vai acontecer porque também depende da capacidade que cada diocese tem de ter pessoas nas ruas a solicitar esses apoios».

«Mas já desisti de fazer prognósticos porque sou sempre contradito.»


«Em 2014, perante todas as dificuldades económicas, consequência das diferentes medidas de austeridade, o Peditório Público da Cáritas angariou 327.957,65 euros», segundo a organização.

A Cáritas apoiou 160.608 pessoas carenciadas no ano passado, mais 21.549 face a 2013, o que representou um aumento de 15,4%.

O número de famílias apoiadas também aumentou, passando de 52.967 em 2013, para 63.059 em 2014, o que significou uma subida de 19% (mais 10.092 famílias

O peditório insere-se na Semana Nacional da Cáritas, que teve início no domingo e se prolonga até domingo, sob o lema «Num só coração, uma só família humana».