O homem detido pela Polícia Judiciária (PJ) por suspeitas de corrupção em obras nos centros de saúde do Norte é funcionário da Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte, disse à agência Lusa fonte da PJ.

Segundo a mesma fonte, o detido é um engenheiro com funções técnicas na ARS Norte.

A PJ anunciou, nesta sexta-feira, a detenção de um homem de 63 anos suspeito de ter “violado as suas obrigações funcionais em processos de adjudicação e acompanhamento de obras de centros de saúde da zona Norte”.

Em comunicado, a PJ refere que o indivíduo, funcionário público e suspeito de um crime de corrupção ativa, foi detido em cumprimento de um mandado emitido pelo Ministério Público, sendo que a sua conduta terá causado “elevado prejuízo ao erário público”.

A polícia salienta que "o suspeito, pelo menos desde 2010, terá violado as suas obrigações funcionais em processos de adjudicação e acompanhamento de obras em Centros de Saúde da Zona Norte".

No âmbito das diligências que a PJ efetuou na quinta-feira, que incluíram buscas domiciliárias, ao local de trabalho e a uma instituição bancária, foi apreendido “um montante superior a meio milhão de euros em dinheiro, além de objetos de ourivesaria e coleções de relógios de valor avultado”.

A investigação, titulada pelo Departamento de Investigação e Ação Penal do Porto (DIAP), “prosseguirá para apuramento de outros envolvidos” naquele “esquema de corrupção”, sublinha a PJ.

O detido vai ser agora presente a primeiro interrogatório para aplicação das medidas de coação tidas por adequadas.

Em comunicado enviado à Lusa, a Administração Regional de Saúde do Norte (ARS-Norte) garante que nenhum "membro do conselho diretivo, nem qualquer outro dirigente desta instituição, foi detido" no âmbito deste processo de investigação da PJ.

Contactada pela Lusa, fonte da ARS confirmou que a PJ esteve na quinta-feira naquelas instalações no âmbito de um processo "antigo".