A Polícia Judiciária (PJ) anunciou, esta sexta-feira, ter concluído uma investigação sobre uma burla qualificada alegadamente praticada por uma mulher contra a Segurança Social, lesando o Estado em 48 mil euros.

A investigação, em curso há nove meses na 3.ª secção do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP), incidiu sobre uma mulher de 47 anos, constituída arguida no inquérito, que terá beneficiado da pensão de sobrevivência do Centro Nacional de Pensões (CNP).

A pensão de sobrevivência era algo a que mãe da arguida «tinha direito por morte do marido, depois do seu falecimento, durante quatro anos, num total de 56 pensões, até que os pagamentos foram interrompidos pelo CNP», lê-se num comunicado da PJ.

A investigação foi realizada pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC) da PJ.