A direção do infantário onde, na terça-feira, morreu um bebé de seis meses, em Queluz, Sintra, assegurou esta quarta-feira estar a aguardar «pelos resultados da autópsia», negando que a Polícia Judiciária «tenha contactado a instituição» na sequência do caso.

«Estamos a aguardar pelos resultados da autópsia e informamos que, ao contrário de algumas notícias veiculadas pela comunicação social de que a Policia Judiciária estaria a investigar o que se passou na instituição, até esta data, ninguém da Policia Judiciária contactou a instituição ou qualquer membro que dela faça parte», sublinha a direção do infantário em nota enviada à agência Lusa.

Fonte da PJ confirmou à agência Lusa que esta polícia «não foi, para já, chamada a intervir» e que só o será caso o Ministério Público encontre matéria para investigação na sequência da autópsia.

No comunicado, assinado por Paula Costa, a direção do infantário sublinha que «funciona sob esta direção há mais de 20 anos sem quaisquer tipo de acidentes graves ou muito graves» e expressa «pesar e solidariedade para com a família enlutada».

Segundo informou na terça-feira fonte da PSP de Lisboa, o caso ocorreu cerca das 15:00, quando a educadora se deslocou ao berço onde se encontrava o bebé e se apercebeu que tinha «sangue a sair da boca», tendo chamado o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

Ainda de acordo com a polícia, o INEM efetuou manobras de reanimação que se revelaram infrutíferas, tendo sido declarado o óbito no local.