A Polícia Judiciária (PJ) anunciou, esta quarta-feira, a detenção de dois homens e de uma mulher indiciados pela prática continuada de crimes de burla qualificada no norte do país, no valor de «várias dezenas de milhares de euros».

Em comunicado, a PJ refere que os montantes em causa «eram pedidos às pessoas que recorriam ao crédito» publicitado em jornais pelos suspeitos.

«Os lesados emitiam cheques pré-datados para garantia de pagamento da totalidade do financiamento por eles pretendido», acrescenta a PJ.

Alguns dos cheques, «destinando-se a remunerar também a comissão devida à suposta entidade financeira pelo crédito concedido, ficavam com o campo da data em branco, sendo-lhes assegurado que os respetivos valores apenas seriam cobrados aquando do depósito do crédito».

A polícia salienta que os cheques eram logo movimentados pelos suspeitos, «que não viriam a creditar depois qualquer montante nas contas bancárias dos lesados».

Os detidos, com idades compreendidas entre os 36 e os 44 anos, sem profissão conhecida, vão ser presentes a primeiro interrogatório judicial para aplicação de medidas de coação tidas por adequadas.