A Polícia Judiciária (PJ) deteve, na quinta-feira, um homem no âmbito de uma operação sobre alegados crimes de burla por empresas de transportes, que resultou na constituição de 19 arguidos, informa um comunicado da PJ.

Em comunicado, esta polícia de investigação criminal refere ter apreendido “grande quantidades de documentos com relevância probatória” no âmbito daquela operação, realizada pela Diretoria de Lisboa e Vale do Tejo.

Fonte da PJ adiantou à agência Lusa que o homem foi detido por posse de arma proibida e que, dos 19 arguidos, sete são empresas.

A PJ acrescenta que a operação se destinava a dar cumprimento a diversos mandados de busca e apreensão no âmbito de um inquérito-crime em que se investigam factos suscetíveis da prática reiterada de crimes de burla por parte de várias empresas e seus responsáveis.

No âmbito da operação foram realizadas buscas nas sedes de sete empresas do ramo dos transportes, que são suspeitas de utilizarem expedientes fraudulentos para evitarem o correto pagamento de portagens pela utilização de autoestradas, lê-se num comunicado da PJ.

Segundo a fonte da PJ, as sete buscas realizaram-se nas regiões de Lisboa, oeste e norte do país, e resultaram de uma investigação que já decorria há algum tempo.

A mesma fonte disse ainda que as empresas do ramo de transportes utilizavam esquemas para ludibriar pagamentos de portagens

O detido tem 57 anos e encontrava-se na posse de arma proibida, conclui o documento da PJ.