A morte do pintor foi já lamentada pela autarquia da Figueira da Foz, cidade onde há muito vivia.

Conhecido pelas suas aguarelas, António Silva da Cunha Rocha, nascido em 1932, honrou muitas vezes as terras e gentes figueirenses com o seu olhar artístico vertido nas telas", salienta a comunicação da autarquia.

Pintor desde os 12 anos, Cunha Rocha estudou na escola Avelar Brotero, em Coimbra, e frequentou a Escola de Belas Artes do Porto.

Expôs no Museu Machado de Castro (Coimbra), no Museu de Arte Popular (Lisboa), no Museu do Caramulo e no Museu Santa Joana (Aveiro), entre outros.

Além de ter recebido a medalha de Ouro do Salão Nacional de Brasília, em 1975, foi ainda distinguido com o primeiro prémio de maquete e decoração do pavilhão na exposição mundial de 1967, em Montreal, Canadá.

Foi membro fundador do Círculo de Artes Plásticas de Coimbra e diretor e professor do Centro de Arte Livre, no Rio de Janeiro, entre outras funções.