O diretor regional da Habitação dos Açores considerou hoje que a situação resultante da derrocada ocorrida na sexta-feira na ilha do Pico, e que desalojou 31 pessoas, «ainda é evolutiva» e está a ser acompanhada em permanência pelas autoridades.

Segundo Carlos Faias, «a situação ainda é evolutiva na encosta de São Miguel Arcanjo», acrescentando que espera estar na posse do relatório do Laboratório Regional de Engenharia Civil (LREC) «nos próximos 15 dias».

Hoje foram divulgadas novas imagens impressionantes da derrocada

O Governo dos Açores, através das secretarias regionais da Solidariedade Social e do Turismo e Transportes, bem como a Câmara Municipal de São Roque do Pico, a par de técnicos do LREC, estão a acompanhar em permanência a situação.

O responsável alertou, no entanto, que várias habitações no local da derrocada «já estão condenadas», o que vai obrigar ao realojamento definitivo dos seus habitantes.

Segundo Carlos Faias, a situação das famílias realojadas temporariamente na sequência da derrocada é estável, tendo as soluções adotadas sido as consideradas «adequadas» a cada um dos agregados.

O diretor regional da Habitação informou, por outro lado, que tem sido possível às famílias recuperarem os seus bens móveis.

As famílias afetadas pela derrocada foram realojadas em casas de familiares ou em habitações arrendadas pelas autoridades.

Entretanto, o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) emitiu um aviso amarelo para o grupo central dos Açores, que integra a ilha do Pico, face à previsão de chuva, pontualmente forte, esperada até às 03:00 de segunda-feira.