A ASAE tentou hoje descansar os consumidores sobre o facto de Portugal aparecer na lista dos países afetados pela crise dos ovos contaminados. O Governo já tinha dito que foi apenas um caso isolado, de um cidadão português que comprou ovos com pesticida tóxico na Bélgica, enquanto comsumidor final. Ora, a ASAE vem agora detalhar que a quantidade da compra foi pequena, para consumo, e pode nem sequer ter chegado a território português.

Estamos no terreno a avaliar exatamente a quantidade comprada, que foi pequena e, por isso, tudo indica que fosse para consumo. Os ovos podem ter sido consumidos fora do território nacional".

Foi o que disse à agência Lusa o inspetor-geral da ASAE, Pedro Portugal Gaspar, detalhando que a compra terá ocorrido a 19 de agosto. O caso foi identificado como “transacionado para empresa portuguesa”, mas “provavelmente, pela quantidade envolvida, será um cidadão ligado a uma empresa” que não terá comprado mais do que uma dúzia destes ovos.

Segundo explicou, a situação foi transmitida a Portugal através de uma simples “notificação de informação”, uma forma de comunicação entre as autoridades que indica que, à partida, não há risco nem implica uma ação rápida.

A maneira como nos foi transmitida foi pela chamada notificação de informação, e não por alerta. Como o próprio nome indica, é apenas para informar e mostra que não existe risco nem implica ação rápida”.

Segundo o diretor-geral da ASAE, os dados que as autoridades portuguesas têm em cima da mesa indicam que se trata de uma “transação doméstica” e que o comprador é da zona norte do país.

Quanto ao risco para a saúde, o responsável lembra que o pesticida tóxico fipronil está identificado como de “risco moderado”, logo o consumo meramente pontual não suscita maiores preocupações, mas é proibido o seu uso em produtos destinado a consumo humano.

Este caso colocou Portugal na lista dos 26 Estados-membros afetados pelo comércio ou distribuição de ovos contaminados com o pesticida tóxico fipronil, segundo a mais recente listagem da Comissão Europeia a que a Lusa teve hoje acesso.

Só na Croácia e na Lituânia não foram ainda detetados ovos contaminados. Esta crise atinge ainda a Noruega, o Liechtenstein, a Suíça e a Rússia.

O Governo lembra que os ovos consumidos em Portugal são essencialmente provenientes da produção nacional e são de casca castanha. 

Questionada pela TVI, fonte do Ministério da Administração Interna disse que os ovos contaminados são de casca branca, não são produzidos em Portugal e aqueles que possam ter sido importados estão "perfeitamente identificados", pelo que à mínima transação - que não aconteceu - seria lançado "imediatamente um alerta".