A cabeça de lista do BE às europeias, Marisa Matias, defendeu a criação de normas europeias de harmonização relativamente à integração das pessoas com deficiência no mercado de trabalho, denunciando o incumprimento da legislação nacional nesta matéria.

A criação destas normas foi a última proposta que Marisa Matias fez neste mandato no Parlamento Europeu, tendo voltado a este tema na primeira ação do dia de arranque oficial da campanha para as europeias, com uma visita ao Centro de Reabilitação e Integração Torrejano, em Torres Novas.

«Infelizmente, numa questão que me parece tão evidente e tão óbvia, não foi possível obter a maioria do apoio dos deputados e não foi para a frente essa proposta. Por isso mesmo há que continuar a defender sobretudo estas pessoas que toda a gente, em particular o Governo, decidiu esquecer-se de defender», disse aos jornalistas no final da visita.

Na opinião da eurodeputada recandidata, «da Europa não pode vir só más notícias e não pode só vir castigo» mas «tem que vir alguma coisa que seja positivo para a vida das pessoas».

«Em Portugal temos quotas de integração de pessoas portadoras de deficiência e não são cumpridas. Parece que em Portugal só se cumpre o que vem de fora e portanto que venha de fora alguma norma nesse sentido para ver se se começa a cumprir aquilo que já é legislação nacional mas que ainda não está posta em prática», sublinhou.

Marisa Matias considerou que esta é uma «questão muito importante» e que normalmente não há «quem fale» por estas pessoas.

«Nós estamos a falar de uma situação em que a integração das pessoas com deficiência no mercado de trabalho nas áreas da formação tem sido muito atacada», criticou, denunciando que a maioria dos alunos neste centro não tem direito a bolsa.

A bloquista considerou ainda que estas populações são das que «estão a ser deixadas mais abandonadas no contexto da crise económica e social».

Marisa Matias percorreu várias salas de formação profissional em áreas como serralharia, costura, olaria ou encadernação, tendo tido até tempo para aprender a dizer em língua gestual o seu nome.