logotipo tvi24

Pereira Cristovão suspeito de «armadilhar» árbitro

Ex-vice leonino já suspendeu mandado. É suspeito de dar ordem para depósito na conta de José Cardinal

Por:
   |   2012-04-12 18:09

Paulo Pereira Cristovão suspendeu o mandato de vice-presidente do Sporting depois de ter sido constituído arguido no âmbito do «Caso Cardinal». Ao que a TVI apurou, o vice leonino está envolvido no depósito de dois mil euros na conta do árbitro auxiliar José Cardinal, que não é suspeito no processo.

Pereira Cristovão, que também é ex-inspetor da Polícia Judiciária, é suspeito do crime de denúncia caluniosa qualificada e terá agido em colaboração com um funcionário da sua empresa e um outro colaborador, ambos considerados suspeitos. O processo conta assim com três arguidos, confirmou a TVI junto de fonte policial.

Esta manhã inspectores da Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ realizaram 10 buscas em vários locais, entre os quais estão três residências particulares, quatro empresas e ainda a sede e estádio do Sporting. Nestas diligências, a PJ terá recolhido «prova abundante» que permitiu a constituição dos arguidos.

A TVI apurou que Paulo Pereira Cristovão estará envolvido no depósito de dois mil euros na conta de José Cardinal, que não é suspeito no processo e terá sido vítima de uma «armadilha».

O depósito tinha o intuito de afastar o árbitro assistente do jogo dos quartos de final da Taça de Portugal entre o Sporting e o Maritimo, mas José Cardinal alega não ter conhecimento do depósito.

O funcionário de Paulo Pereira Cristovão terá ido à Madeira depositar a quantia de dois mil euros na conta de José Cardinal, por indicação do ex-vice leonino.

A denuncia que deu início a este caso partiu de uma carta anónima e um talão de multibanco.

Contactado pela TVI, o procurador-geral da República confirma que recebeu o presidente da Federação portuguesa de Futebol, Fernando Gomes, que lhe comunicou a ocorrência de um eventual ilícito.

No final de 2011, Pinto Monteiro enviou a participação para o DIAP de Lisboa.

Rejeição de culpa

Paulo Pereira Cristóvão justificou o pedido de suspensão do seu mandato de vice-presidente do Sporting com os «superiores interesses», rejeitando, em comunicado enviado à agência Lusa, que este ato represente «assunção de culpa».

«Face ao ocorrido, entendi que, estando a minha honestidade pessoal, e enquanto dirigente, em causa, deveria apresentar, ao presidente do Conselho Diretivo, com efeitos imediatos, o meu pedido de suspensão do mandato como vice-presidente do Conselho Diretivo do Sporting Clube de Portugal», afirmou Paulo Pereira Cristóvão.

«Tal decisão não encerra qualquer assunção de culpa, antes pelo contrário, e deve-se única e exclusivamente, com aquilo que entendo serem os superiores interesses do Sporting Clube de Portugal», salientou.

Partilhar
EM BAIXO: Paulo Cristóvão a votar em Alvalade
Paulo Cristóvão a votar em Alvalade

EM MANCHETE
Submarinos explicam metade da poupança do Governo
Executivo cortou até agora 754 milhões de euros em consumos intermédios, apesar de Passos ter referido uma redução de 1,6 mil milhões entre 2010 e 2013
Fatura da Sorte: hoje é dia de sortear dois Audi A4
Governo está a preparar cortes na ADSE