A primeira praia do país para permanência e circulação de cães será, ao final do dia de hoje, inaugurada em Peniche pelo secretário de Estado da Defesa Nacional, Marcos Perestrello.

O projeto de criação de uma praia para uso balnear canino partiu, segundo o presidente da Câmara de Peniche, António José Correia, de “um desafio lançado pelo secretário de Estado da Defesa Nacional e pela Autoridade Marítima Nacional”.

O espaço escolhido foi a praia do Porto da Areia Norte, uma área com cerca de 80 metros de extensão, na marginal que leva ao Cabo Carvoeiro, e onde a autarquia investiu “cerca de 2.500 euros em dispensadores de sacos (para recolha de dejetos), na colocação de sinalética e na afixação de editais com as regras de funcionamento”, disse o autarca à agência Lusa.

Entre as normas contam-se a obrigatoriedade de os cães estarem registados, usarem trela e, no caso de raças consideradas perigosas, usarem açaime.

A praia (numa área que não era concessionada e assim vai continuar) tem inauguração marcada para as 19:15 e neste primeiro verão funcionará como “experiência-piloto, numa perspetiva de que terá que haver uma utilização conscienciosa por parte dos donos dos animais”, nomeadamente "ao nível da segurança dos banhistas e da higiene da praia".

O espaço não terá vigilância para banhistas e contará com o apoio da Capitania do Porto de Peniche para garantir o respeito pelas normas.

A criação da praia para cães já foi contestada pelo movimento ambientalista Arméria, que em comunicado considerou aquele uso lesivo para o património ambiental da praia, localizada na zona da Papôa e em cujas proximidades disse existirem “relevantes vestígios históricos e arqueológicos”.

O presidente da câmara negou qualquer risco de “degradação ambiental”, garantindo que o local está a ser preservado e que a regulamentação do uso como praia canina aumentará a vigilância daquele espaço.