"Na comarca de Santa Maria da Feira, isto era visto como uma forma de vida e como uma forma de enriquecer facilmente. Em vez de produzir alguma coisa, assinavam-se faturas, comprava-se e vendia-se papel, porque era fácil e muito proveitoso. A resposta tarda, mas está dada", concluiu o magistrado.