Há histórias muito cruéis de se contar. A estrada nacional 236-1, onde morreram 30 pessoas carbonizadas pelo incêndio sem precedentes em Portugal no distrito de Leiria - que no total matou pelo menos 61 pessoas - é um cenário de apenas duas cores, preto e cinzento.

Os operacionais que estão no terreno a remover as viaturas contaram à jornalista da TVI Andreia Jorge Luís que num daqueles carros foi encontrado o corpo de um adulto, uma avó, com uma criança ao colo, a neta. A menina chamava-se Bianca, segundo relatos de populares à TVI.

Ambas morreram carbonizadas, assim como outros 28 corpos encontrados na mesma estrada, que liga Figueiró dos Vinhos a Castanheira de Pêra.

As pessoas ficaram encurraladas quando tentavam fugir do fogo. Um sobrevivente, um homem que conseguiu fugir da estrada, voltou à EN 236-1 esta tarde para ver com os próprios olhos o cenário que, por pouco, não lhe roubou a vida.

Veja também:

A disposição dos carros atesta o pânico que tomou conta das pessoas. Há carros que colidiram. Uma viatura a tentar entrar na mata, mostra como o condutor tentou fugir desse por onde desse. 

Está tudo queimado, quer do lado direito, quer do lado esquerdo da EN-236. Não há um metro quadrado que não esteja queimado. O alcatrão também ardeu, derreteu.

As jantes dos carros estão, muitas delas, completamente destruídas, muitas já nem existem, foram consumidas pelas chamas e acabaram por desaparecer. nem mesmo os raides laterais, todos estão queimados

Quem está no local, conta que tem os olhos a arder e que o ar está irrespirável, para além de todo o cenário ser completamente devastador.

As operações de limpeza do terreno já começaram. Ao todo, cerca de 20 carros (ou o que resta deles) tiveram de ser removidos do local. Quando se ligaram as máquinas para proceder à limpeza do piso, a imagem da quantidade de cinza a voar fala por sim.