O presidente da Câmara de Figueiró dos Vinhos considerou hoje que seria "extremamente útil" caso fossem alocados recursos humanos para ajudar agricultores afetados pelos incêndios a fazerem candidaturas a fundos comunitários.

Esse apoio, se vier, é extremamente útil. Se vier, até são pessoas com algum ‘know how' e especificidade sobre as matérias e é óbvio que só vêm ajudar"

À margem de uma sessão de esclarecimentos a empresários e agricultores afetados pelo incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande, em junho, Jorfe Abreu indicou também aos jornalistas que as autarquias de Castanheira de Pera e Pedrógão Grande já solicitaram esse apoio.

Ao todo, há cerca de 300 pessoas com prejuízos acima dos 5.000 euros na área da agricultura, sendo necessário coletarem-se e apresentarem uma candidatura ao Programa de Desenvolvimento Rural (PDR) para poderem receber o apoio.

Quanto mais pessoal houver para ajudar essas pessoas a elaborarem as candidaturas - a maioria idosas - "mais possibilidades" existem de minimizar o tempo que demoram a receber o apoio, sublinhou o autarca.

No entanto, Jorge Abreu mostrou-se confiante relativamente ao futuro, visto que as dificuldades apresentadas pelos autarcas têm tido resposta por parte do Governo, "de forma rápida e ágil", estando "em crer" que o mesmo vai acontecer com esta questão, cita a Lusa.

É importante as pessoas não perderem a motivação para continuarem a sua pequena atividade. O processo não se deve prolongar no tempo, senão perde-se essa mesma motivação e é isso que não queremos que aconteça".

Revolta e frustração

Na sessão que decorreu na segunda-feira, em Pedrógão Grande, vários agricultores mostraram-se revoltados e frustrados com o processo de apoio, especialmente quando os prejuízos totalizam um valor superior a 5.000 euros e obrigam a apresentação de uma candidatura. A larga maioria das pessoas afetadas praticam agricultura de subsistência e não estão coletadas.

Os agricultores com prejuízos até ao montante de 5.000 euros são indemnizados a 100% através de um processo simplificado, estando já em pagamento as ajudas aos cerca de 400 agricultores que registaram prejuízos de valor inferior a 1.053 euros, informou na segunda-feira o Ministério da Agricultura.

Já os cerca de 300 agricultores que registaram prejuízos superiores a 5.000 euros recebem 100% a fundo perdido dos primeiros 5.000 euros e 50% do restante.

O responsável por um gabinete de contabilidade em Figueiró dos Vinhos, José Carlos Agostinho, assistiu hoje à sessão de esclarecimento, tendo algumas solicitações a nível empresarial e particular de pessoas que "precisam de ajuda para receber alguns apoios" e que procuram perceber como podem ser ressarcidas. "As coisas já estão a andar a um bom ritmo", notou.

Nestas situações, as pessoas querem tudo com a maior brevidade possível, mas é compreensível que as coisas tenham algumas regras".