O Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, enviou uma mensagem de condolências à família do professor José Mariano Gago, que hoje morreu, frisando que Portugal perde «uma das personalidades mais marcantes da sua vida científica e cultural».

«Ao tomar conhecimento do falecimento do professor José Mariano Gago, envio à família enlutada as minhas mais sentidas condolências», refere uma nota publicada na página oficial da Presidência da Republica na Internet.

A mensagem do chefe de Estado refere ainda que o professor Mariano Gago foi um «aluno brilhante do Instituto Superior Técnico, doutorado em Física pela Universidade de Paris, que cedo se notabilizou como um dos mais notáveis cientistas da sua geração».

«A par desta carreira como investigador de excelência, José Mariano Gago distinguiu-se como uma das figuras cimeiras da política científica da democracia portuguesa», salienta.

Nas condolências enviadas à família do professor Mariano Gago, o Presidente da República diz que «dirigiu as mais importantes instituições de promoção da atividade científica e tecnológica, sendo mais tarde Ministro da Ciência e da Tecnologia do XIII e do XIV Governos Constitucionais e Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do XVII e do XVIII Governos Constitucionais».

Realçou ainda que, «em larga medida devido ao seu dinamismo, a ciência portuguesa registou um impulso notável nas últimas décadas, conquistando um nível ímpar de internacionalização e uma enorme difusão junto dos portugueses».

«Além de homem de ciência e cultura, José Mariano Gago foi, desde jovem, um cidadão exemplar pelo empenho demonstrado na defesa intransigente dos valores da liberdade e da democracia», frisa a nota.

Em Portugal, destaca a mensagem, «muito devem várias gerações de investigadores dos mais diversos ramos do saber e do conhecimento» ao professor Mariano Gago.

primeiro-ministro  já reagiu, dizendo que recebeu com profundo pesar a notícia do falecimento de Mariano Gago, que considerou um «académico ilustre» e um «homem que serviu o seu país» em altos cargos de governação.

Numa mensagem enviada à agência Lusa, Pedro Passos Coelho refere que, «enquanto ministro da Ciência, e mais tarde ministro da Ciência e do Ensino Superior, desempenhou essas funções em quatro governos constitucionais, o que lhe permitiu deixar uma marca significativa na organização do Sistema Científico e Tecnológico Nacional».



Para o primeiro-ministro, que dirige as suas condolências à família enlutada e aos seus colegas e amigos, Mariano Gago «teve indubitavelmente um papel pioneiro no desenvolvimento da política de ciência em Portugal e na internacionalização da investigação científica, projetos em que investiu toda a sua experiência e conhecimento».

O secretário-geral do PS também já se pronunciou, afirmando que a sua morte constitui a perda de um resistente contra a ditadura, de «grande cientista» e de um governante «exemplar» que mudou o paradigma da ciência em Portugal.

Numa declaração na sede nacional do PS, António Costa prestou homenagem em seu nome e do seu partido ao percurso de José Mariano Gago, destacando-o «enquanto dirigente académico como um resistente na luta contra a ditadura».

«Quero prestar homenagem ao grande cientista, ao visionário que em 1990 publicou uma obra fundamental – ‘O manifesto para a ciência em Portugal' - e ao governante exemplar que, em três ocasiões, nos últimos 20 anos, assumiu a pasta da Ciência e do Ensino Superior. Mariano Gago mudou o paradigma da ciência em Portugal.»


Na sua declaração, António Costa defendeu também que Mariano Gago colocou a ciência no centro das políticas para o desenvolvimento.

«Colocou no centro da ambição política a sociedade do conhecimento e teve uma preocupação incansável com a democratização da cultura científica, designadamente através do lançamento do programa Ciência Viva. Portugal perdeu hoje um grande servidor, a ciência perdeu hoje um grande cientista, o PS e eu próprio perdemos hoje um grande amigo. Quero prestar à sua mulher e filha as nossas sentidas condolências.»


Em comunicado oficial, o PS e o seu secretário-geral manifestaram a sua «profunda consternação» 

«Para além de eminente cientista, Mariano Gago foi ministro da Ciência, da Tecnologia do XIII e XIV governos constitucionais e ministro da Ciência, da Tecnologia e do Ensino Superior dos XVII e XVIII governos constitucionais, executivos do PS. E é justo que lhe seja creditada na sua atividade como membro do Governo a alteração do paradigma das políticas públicas de apoio à ciência e tecnologia no nosso país.»


O vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, afirmou que o ex-ministro da Ciência era uma pessoa que «respeitava intelectualmente», apesar das «discordâncias ideológicas», considerando que deixou uma «marca» no sistema científico.

«Obviamente e independentemente das discordâncias ideológicas e das divergências políticas era uma pessoa que eu respeitava intelectualmente e que deixou uma marca do ponto de vista do sistema científico.»


O ministro da Educação e Ciência, Nuno Crato, destacou Mariano Gago como «uma personalidade brilhante, esfuziante», que «representa muito para a ciência em Portugal».

Em declarações telefónicas à Lusa, a partir de Díli, Nuno Crato lembrou o antigo ministro da Ciência, que disse conhecer desde finais da década de 60, como «um homem que dedicou a sua vida ao desenvolvimento, à divulgação e à promoção da ciência em Portugal».

Uma pessoa, sublinhou, «cuja atividade fica associada a um grande crescimento que a ciência teve» no país.

Para o atual titular da pasta, Mariano Gago era, além de «um cientista reputado e um orador brilhante», uma pessoa com quem era «agradável de estar» e com quem tinha «conversas estimulantes».

Em comunicado, toda a equipa ministerial, incluindo ministro e secretários de Estado, nomeadamente a da Ciência, lamenta a morte de Mariano Gago e deixa «as mais sentidas condolências à família».

A nota adianta que a secretária de Estado da Ciência, Leonor Parreira, representará o ministro nas cerimónias fúnebres, uma vez que Nuno Crato se encontra em visita oficial a Timor-Leste, no âmbito da 1ª Reunião Extraordinária de Ministros da Educação da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa.

O Comissário Europeu da Investigação, Ciência e Inovação, Carlos Moedas, afirmou que recebeu com «grande choque» a notícia da morte de Mariano Gago e que Portugal e a Europa perderam um grande homem e cientista.

«É com grande choque que recebo esta notícia. Penso que a Europa perde um grande cientista e Portugal um grande homem», disse Carlos Moedas, contactado por telefone pela agência Lusa.


Nas declarações à Lusa, Carlos Moedas recordou que, quando iniciou funções como comissário europeu, o professor Mariano Gago «foi uma grande ajuda».

«Foi a primeira pessoa que me falou de um projeto europeu no Médio Oriente, na Jordânia, um projeto de paz que é um acelerador de partículas, de seu nome Sésamo, e foi ele a primeira pessoa que me falou desse projeto e que a União Europeia devia estar mais envolvida», recordou.


Segundo o comissário, a União Europeia pediu o estatuto de observador naquele projeto e «tudo isso de uma ideia inicial do professor Mariano Gago».

«Era um homem que olhava para a ciência, não só pela ciência, mas também pela paz e numa ciência que constrói pontes entre os povos. Perdemos realmente um grande homem», sublinhou.


Também o antigo primeiro-ministro António Guterres manifestou-se «profundamente chocado» com a morte de Mariano Gago, destacando a sua «coragem» na luta contra a ditadura, o cientista «internacionalmente reconhecido» e o seu «contributo excecional» para o desenvolvimento científico.

«Acabado de chegar a Washington, fiquei profundamente chocado com a notícia da morte de José Mariano Gago», começou por referir o ex-primeiro-ministro e ex-secretário-geral do PS e alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados, numa nota enviada à agência Lusa.


António Guterres destacou depois José Mariano Gago como um «líder estudantil de grande coragem na luta contra a ditadura, cientista internacionalmente reconhecido, ministro com um contributo excecional para o desenvolvimento da ciência no nosso país e para a vida política portuguesa em geral, mas acima de tudo um grande e querido amigo».

«Uma perda irreparável», frisou o alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados.


Em declarações telefónicas, na TVI24, Pedro Silva Pereira recordou o antigo ministro como  «alguém que fez muito pelo país». Mariano Gago «deixa uma obra absolutamente notável», disse Pedro Silva Pereira. Declarações que pode conferir clicando na imagem abaixo. 



Também na TVI24, Augusto Santos Silva, que foi colega de Mariano Gago no Governo, recorda um homem de uma  «inteligência brilhantíssima»  e com grande sentido cívico, sempre preocupado em pôr a ciência ao serviço do desenvolvimento do país.




O também antigo ministro Rui Pereira considerou que «o país perde um cientista notável, ao qual muito deve».


 
O presidente do Instituto Superior Técnico afirmou que a sua morte deixa «um vazio muito grande na ciência», considerando o antigo ministro uma «pessoa muito inteligente que sempre deu o seu melhor para servir o país».

«Era uma pessoa muito inteligente, com uma grande visão, um grande espírito de missão e de serviço da ciência. Como ministro teve um papel totalmente definidor do que veio a ser a evolução científica em Portugal», sustentou Arlindo Oliveira, antigo aluno de Gago, que recordou como «excelente professor, um grande motivador, uma pessoa muito influente», ao definir a participação de Portugal na investigação internacional na área da física.

«Era uma inspiração, sempre deu o seu melhor para servir o país e a ciência.»


  As reações à morte de Mariano Gago já se começaram a espalhar nas redes sociais. Com elogios de colegas de Governo e até de quem foi opositor das suas políticas.

 

Estou chocado com a Morte de Mariano Gago. Uma surpresa total. Mariano Gago foi das pessoas mais brilhantes que conheci....

Posted by Carlos Zorrinho on Sexta-feira, 17 de Abril de 2015
 
 

Mariano GagoA morte precoce de Mariano Gago faz desaparecer o melhor ministro da ciência. Opus-me à sua política a...

Posted by Francisco Louçã on Sexta-feira, 17 de Abril de 2015
 
 

http://gotadeagua53.blogspot.pt/2015/04/morreu-mariano-gago-ministro-da-ciencia.html - O inesperado desaparecimento de...

Posted by José Junqueiro on Sexta-feira, 17 de Abril de 2015