As buscas pelo suspeito dos crimes de Aguiar da Beira continuam focadas no distrito de Vila Real e localidades limítrofes, afirmou a GNR, ressalvando que "a primeira prioridade" é garantir a segurança das populações.

Estamos mais focados na zona de Vila Real, sabendo que continuamos a exercer ações também nos distritos limítrofes, tanto a norte como a sul", disse à Lusa o porta-voz da GNR, major Marco Cruz.

Segundo a mesma fonte, a "prioridade continua a ser a segurança das populações mais isoladas, principalmente nos distritos de Viseu, Aveiro e Guarda".

Estamos a falar de um suspeito que já mostrou que é perigoso. A prioridade continua a ser a segurança das pessoas, que é preciso acautelar", frisou.

O porta-voz da GNR acrescentou que os comandos territoriais "têm trabalhado muito no sentido de procurar o principal suspeito", continuando a "investigação criminal e a recolha de indícios".

Continua assim, segundo a mesma fonte, a "estratégia seguida nos últimos dias", sendo que a GNR "se mantém alerta desde o dia dos acontecimentos".

Quanto à viatura furtada este domingo à tarde pelo suspeito, "ainda não foi localizada", afirmou.

Um militar e um civil foram assassinados a tiro na manhã de 11 de outubro em Aguiar da Beira, no distrito da Guarda, onde também um outro militar e uma civil ficaram feridos com gravidade.

Já durante a tarde, na zona de Candal, um outro militar da GNR foi também ferido com uma arma de fogo.

O presumível homicida encontra-se, desde então, em fuga, apesar das operações policiais em curso para o capturar.

Este domingo, o suspeito sequestrou duas pessoas em Arouca e roubou uma viatura que foi avistada em Vila Real, a pouco mais de cem quilómetros do local onde ocorrera o furto do veículo.

Um carro patrulha da GNR cruzou-se com a viatura furtada na zona industrial de Vila Real. A patrulha ainda foi atrás da viatura durante algum tempo mas perdeu-lhe o rasto", disse a mesma fonte.