As autoridades investigaram 1800 crimes sexuais contra menores em 2012. Significa que, em cada dia do ano passado, cinco crianças podem ter sido vítimas de algum abuso sexual. Os dados são da Unidade de Informação de Investigação Criminal da Polícia Judiciária e foram divulgados num seminário sobre criminalidade sexual.

De acordo com os mesmos dados, citados pela edição desta segunda-feira do «Jornal de Notícias», a maioria das vítimas têm entre os oito e os 12 anos e são raparigas. Um estudo da investigadora Cristina Soeiro, do gabinete de psicologia da PJ, aponta para uma maior prevalência do pai biológico entre os agressores, seguido do tio e do padrasto ou companheiro da mãe. A maior parte dos agressores não apresenta cadastro.

O presidente da Comissão Nacional de Crianças e Jovens em Risco, Armando Leandro elogia o trabalho da Polícia Judiciária, que, para o responsável, «tem feito um trabalho de grande qualidade». «Mas importa insistir na formação intensiva de todos os que lidam com o problema», alerta Armando Leandro.