O ministro da Saúde, Paulo Macedo, afirmou que as Misericórdias interessadas na gestão dos hospitais públicos têm de assegurar uma redução de custos para o Estado «de pelo menos 25 por cento».

Segundo o ministro, outra condição é que os hospitais cuja gestão for entregue às Misericórdias mantenham os serviços atualmente prestados no âmbito do Serviço Nacional de Saúde.

Haver «mútuo acordo» entre as partes e «capacidade de gestão adequada e todo um conjunto de requisitos operacionais» são as outras condições para a eventual devolução dos hospitais às Misericórdias.

«Se estas condições se conjugarem, há possibilidade de haver devolução», afirmou Paulo Macedo.

No caso concreto do hospital de Barcelos, que tem sido apontado como um dos que poderá ver a sua gestão transferida para a Santa Casa da Misericórdia local, Paulo Macedo garantiu que «não está previsto nada neste momento».

O ministro falava à margem da inauguração da Unidade de Psicogeratria do Instituto S. João de Deus, em Barcelos, destinada a utentes com doença mental crónica, com idade igual ou superior a 65 anos e com deterioração cognitiva.

A unidade serve ainda doentes que necessitem de tratamento especializado em contexto de internamento.

No total, o investimento está avaliado em 4 milhões de euros.