O ministro da Saúde, Paulo Macedo, admitiu esta quarta-feira que as dificuldades de marcação de colonoscopias para doentes da Grande Lisboa é uma «situação preocupante» e prometeu resolver a situação até ao final do ano.

«A colonoscopia é uma situação preocupante, uma vez que há uma escassez anormal na oferta desse tipo de serviços. Vamos estar muito atentos para corrigir essa situação até final do ano e será a Administração Regional de Saúde de Lisboa a corrigir», afirmou Paulo Macedo, numa recolha da Lusa.

O ministro falava aos jornalistas à margem do congresso anual do Infarmed, que esta quarta se realiza no Centro de Congressos do Estoril, reagindo à denúncia feita pela Associação de Luta Contra o Cancro do Intestino sobre as dificuldades de muitos utentes na marcação de colonoscopias na Grande Lisboa.

De acordo com o presidente da associação Europacolon, Vítor Neves, são várias as queixas que têm chegado à linha de apoio 808 200 199, sempre de utentes da zona da Grande Lisboa.

São casos de pessoas que têm a prescrição de uma colonoscopia passada pelo centro de saúde, mas têm dificuldade ou mesmo impossibilidade de a conseguir marcar.

Em Portugal há cerca de sete mil casos de cancro do intestino por ano e, em média, morrem 11 pessoas por dia com a doença.