«Enquanto cidadão português respeito esta decisão do tribunal, mas evidentemente que discordo e não estava à espera», declarou o ex-secretário de Estado da Administração Local aos jornalistas, à saída da sala de audiência do Tribunal de Condeixa-a-Nova.


«Continuo o mesmo homem hoje, após a sentença, que era ontem. Sou uma pessoa honesta, não merecia isto», disse Paulo Júlio.