O produtor Paulo Branco, que produziu filmes de Manoel de Oliveira durante mais de 20 anos, disse esta sexta-feira, no funeral do realizador português, no Porto, sentir uma «enorme responsabilidade» em ajudar a redescobrir o legado que o cineasta deixou.

«Temos de ser responsáveis, todos nós, em ajudar a redescobrir o Manoel de Oliveira e o legado que nos deixou. A nós, que tivemos o privilégio de o conhecer pessoalmente e de trabalhar com ele durante estes anos todos, neste momento o que é importante é fazer com que as pessoas redescubram a obra dele», sublinhou.

E acrescentou: «Vão ter surpresas maravilhosas, porque é uma obra ainda muito pouco conhecida cá em Portugal, é a altura certa para isso».

Questionado sobre as memórias que guarda do cineasta falecido, na quinta-feira, aos 106 anos, Paulo Branco disse: «São tantas, tantas, as memórias de Oliveira».

«Guardo, sobretudo, o exemplo. É um exemplo fantástico para alguém que está ligado a esta atividade e, não só, é um grande exemplo», acrescentou.

Paulo Branco falava no final do funeral de Manoel de Oliveira, no Cemitério de Agramonte, onde se concentraram centenas de pessoas, muitas de rosa branca na mão, para aplaudir e homenagear o cineasta.