A arquiteta Paula Silva foi nomeada para o cargo de diretora-geral do Património Cultural, em regime de substituição, por despacho do ministro da Cultura, e inicia funções na próxima segunda-feira, anunciou hoje o Ministério da Cultura.

Paula Araújo Pereira Silva, licenciada em Arquitetura pela Escola Superior de Belas Artes do Porto e mestre em Arqueologia pelo Instituto de Ciências Socias da Universidade do Minho, sucede a Nuno Vassalo e Silva, que assumiu este cargo em fevereiro de 2014, e em outubro último o deixou, quando tomou posse como secretário de Estado da Cultura, funções que desempenhou até 25 de novembro último.

Paula Silva foi diretora regional do Porto do ex-Instituto Português do Património Arquitetónico (IPPAR), de 2006 a 2007, e diretora de Bens Culturais da Direção Regional de Cultura do Norte, de 2008 a 2009, e, posteriormente, diretora Regional da Cultura do Norte, de 2009 a 2013.

Desde 2014, chefiava a Divisão Municipal de Museus e Património Cultural da Câmara Municipal do Porto.

“A Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) é, em articulação com as Direções Regionais de Cultura, responsável pela gestão normativa do património cultural em Portugal”, assinala o comunicado do ministério tutelado por João Soares.


As atribuições da DGPC “passam, entre muitos outros campos de atividade, pelo estudo, investigação, proteção legal e divulgação do património cultural imóvel, móvel e imaterial, pela gestão do património classificado arquitetónico e arqueológico, pela realização de obras de conservação nos monumentos classificados que lhe estão afetos, pela gestão dos Museus Nacionais e dos Monumentos Nacionais inscritos na lista do Património Mundial (UNESCO)”, segundo o mesmo documento.

À DGPC cabe também a coordenação da Rede Portuguesa de Museus, a documentação e inventário do património móvel, imóvel e imaterial, e tem a “tutela normativa sobre as intervenções de conservação e restauro de peças de património móvel e integrado”.

(Foto de arquivo)