A magreza de uma cadela da GNR, fotografada em serviço num evento público, chegou às redes sociais e com a imagem chegou também a polémica. O esclarecimento chegou através da página da Guarda Nacional Republicana no Facebook.

Depois de sublinhar que "não se revê" na legenda da imagem partilhada nas redes sociais e que sugeria maus-tratos ao animal, a GNR explica que a cadela em causa, a "FLY", da raça Pastor Belga Malinois, é naturalmente magra, apesar de ter sido "submetida a um Programa de Ganho de Condição Corporal, desenhado e monitorizado pelos Médicos Veterinários da GNR", que, todavia, "não permitiu ganhar outra aparência".

As aparências por vezes iludem! A FLY é uma cadela enérgica, brincalhona e que cumpre exemplarmente a sua missão na deteção de explosivos, o que muito orgulha a Guarda Nacional Republicana. Se dúvidas persistirem, convidamos os nossos seguidores a visitarem a FLY nas nossas instalações. Assim, e porque a FLY merece, vamos continuar a trabalhar com ela e a exibi-la orgulhosamente, como foi feito este fim de semana no PETFestival", escreveu a GNR.

A Guarda sublinha, também, a "FLY", que trabalha com os militares na deteção de explosivos, chegou ao Grupo de Intervenção Cinotécnico em 2011, "proveniente de uma doação de um particular".