A falta de médicos e enfermeiros está a provocar “o caos” na Maternidade Alfredo da Costa (MAC), em Lisboa, onde a falta de profissionais obriga algumas puérperas a recuperar do parto nas urgências, segundo fontes desta unidade.

“Não nos fecham por fora, mas estão a fechar-nos por dentro”, disse Ana Cristina Ranha, enfermeira e dirigente sindical na MAC, referindo-se à falta de profissionais que se acentuou nos últimos tempos e que deverá piorar no próximo mês de outubro.

Em declarações à agência Lusa, Ana Cristina Ranha disse que a situação na MAC está “caótica”: “Estamos a entrar em momento caos, com muita gente cheia de vontade de sair”.

A enfermeira explicou que a falta de pessoal não é de hoje, mas agravou-se com a transferência de profissionais dos hospitais para os centros de saúde, mediante os concursos internos entretanto abertos.

“O concurso mais recente na Administração Regional de Saúde (ARS) de Lisboa e Vale do Tejo deverá levar da MAC cerca de 30 enfermeiros, profissionais que concorrem porque lhe oferecem outro tipo de condições”.


Esta transferência “vai agravar ainda mais a situação. Alguns [enfermeiros] já estão ausentes”.

Ana Cristina Ranha, que trabalha na neonatalogia – o maior serviço da MAC – acrescentou que nesta unidade vão sair 10 enfermeiros e que, atualmente, as equipas que permanentemente deveriam ter 12 profissionais, só têm 10.

A enfermeira tem receio do impacto desta redução que se aproxima: “Ou vamos assumir os cuidados com elementos a menos, correndo mais riscos, ou temos de fazer turnos extraordinários com maior frequência”.

Em qualquer das soluções, sublinhou, os profissionais irão sujeitar-se a mais situações de stress.

A falta de enfermeiros na MAC também tem obrigado a que algumas puérperas recuperem do parto no espaço das urgências, onde não usufruem da devida privacidade, além de contribuírem para entupir este serviço.

Isto porque atualmente apenas está aberta uma das duas salas de puerpério que já estiveram a funcionar em simultâneo. Nos dias em que a única sala, com capacidade para 30 mulheres e respetivos filhos, está cheia, as puérperas são encaminhadas para as urgências.

No caso dos médicos, o panorama também não é animador. Uma fonte da MAC disse à Lusa que é elevado o número de médicos com mais de 50 anos a fazer urgência, quando a lei os dispensa da urgência noturna a partir desta idade.

A mesma fonte lamentou que os internos que ali são formados não tenham depois a possibilidade de continuar a trabalhar na MAC, impedindo a resolução, em parte, do problema de falta de pessoal clínico.

De acordo com a edição de hoje do Correio da Manhã, a MAC recusou na noite passada receber grávidas de risco “devido a falta de pessoal médico”.

Questionado pela Lusa, o Centro Hospitalar de Lisboa Central (CHLC) confirmou que, “na noite passada, por doença súbita de um especialista que integrava a equipa de urgência na MAC foi pedido ao Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) o não encaminhamento de doentes de risco para aquela unidade”.

“O atendimento normal da urgência nunca esteve em causa e não houve necessidade de transferir utentes para qualquer outra unidade hospitalar. A situação encontra-se resolvida".


A Lusa questionou também o CHLC sobre a falta de médicos e enfermeiros na instituição, mas ainda aguarda uma resposta.

Cunha Ribeiro, presidente da ARS de Lisboa e Vale do Tejo, disse à Lusa desconhecer a falta de médicos e enfermeiros na MAC.

Questionado sobre esta situação, o presidente da ARS de Lisboa e Vale do Tejo, Cunha Ribeiro, disse desconhecer qualquer falta de médicos ou de enfermeiros na MAC.

O CHLC esclareceu que “estão previstas saídas e entradas de enfermeiros em todo o centro hospitalar, em virtude dos concursos de admissão abertos pela ARS de Lisboa e Vale do Tejo e dos pedidos de contratação realizados”.

“As necessidades de recursos humanos do CHLC estão identificadas e são do conhecimento da ARSLVT, tendo sido promovidas as competentes diligências para obter as respetivas autorizações para a contratação de médicos e enfermeiros”, lê-se na nota do CHLC.