A presidente do Conselho Fiscal da Associação Zoófila Portuguesa apresentou uma queixa-crime por alegado abuso de confiança contra a presidente da instituição, Ana Fernandes, que está demissionária, com o resto da direção, desde dia 20 de junho.

De acordo com o jornal Diário de Notícias (DN), a presidente do conselho fiscal da Associação Zoófila Portuguesa (AZP), Luísa Coelho, avançou na semana passada com a queixa-crime por abuso de confiança contra Ana Fernandes, suspeita de ter feito “negócios consigo mesma”.

Em causa, segundo o DN, estão irregularidades imputadas à presidente da instituição e deputada municipal do PAN em Odivelas, sobretudo por ter em seu nome uma empresa que prestava serviços à AZP.

Entre as irregularidades estão também a compra de um telemóvel por 843 euros sem decisão colegial prévia e a aquisição, em fevereiro de 2017, de mais de três mil euros de ração fora de prazo da marca que a sua empresa detinha a representação.

Há uma sensação de impunidade. Não podemos aceitar estes comportamentos. Uma pessoa que está a gerir o dinheiro dos outros não pode agir assim. Que podemos fazer para que a senhora deixe de achar que a associação é ela?”, disse ao jornal a presidente do conselho fiscal da AZP.

Em declarações ao DN, Ana Fernandes, que está demissionária, disse que “nunca tomou decisões sem respaldo da restante direção e lembra que as contas foram sempre aprovadas por sucessivos conselhos fiscais, incluindo o que o acusa de abuso de confiança”.

Ao jornal, Ana Fernandes não nega que a empresa de que é proprietária desde 2011 cobrou serviços à AZP, salientando que os membros da direção sabiam da sua relação com a empresa.

Faturas foram entregues, seguiram circuitos administrativos normais, passaram por várias pessoas e foram validadas pela tesouraria. O nome da empresa aparece nos balancetes. Não só nunca escondi que a empresa era minha como disse, em várias oportunidades, que tinha uma empresa. Além de ser informação pública. (…) O potencial conflito de interesses foi avaliado pelos órgãos sociais e aceite dados os benefícios que trazia à AZP”, disse.

Segundo o DN, a pedido de um grupo de sócios é convocada uma assembleia geral extraordinária para 26 de maio na qual as acusações contra a presidente foram tornadas públicas.

De acordo com o ‘site’, a AZP “é uma instituição humanitária de interesse público que procura promover a proteção de todos os animais, apoiando os seus responsáveis e também os associados que intervenham em sua defesa”.

A associação conta com cerca de 17 mil sócios e desde 2014 possui um hospital veterinário, com faturação de quase um milhão/ano e 30 funcionários.