logotipo tvi24

Oslo: perigo de imitações em Portugal

Presidente do OSCOT admitiu aumento da vigilância, sobretudo na Internet

Por: Redacção / CP    |   2011-07-25 09:11

O presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo (OSCOT) admitiu à Lusa que os atentados na Noruega deverão levar a um aumento da vigilância também em Portugal devido ao perigo de imitações.

«Pode haver imitações - as chamadas copycats - e portanto é conveniente ter em atenção, apesar de megalómanas, as declarações» do alegado autor dos atentados na Noruega, explicou José Manuel Anes.

Apesar de sublinhar que o documento escrito pelo suspeito dos atentados, Anders Breivik - no qual referencia vários alvos de futuros ataques, incluindo em Portugal - é «algo de megalómano», o presidente do OSCOT considera que os níveis de segurança devem aumentar nos próximos tempos.

«A segurança nesses alvos já existe, porque é um conjunto de infra-estruturas críticas que estão referenciadas pelo conselho de segurança nacional», afirmou.

No entanto, referiu, «pode efectivamente haver um pequeno reforço» da vigilância, porque «perante um acto destes, que é uma coisa horrorosa e bárbara, há indivíduos que acham muito bem e têm tendência a imitar».

Por isso, as autoridades vão «reforçar a vigilância, sobretudo em relação a sites, blogues, Facebook, porque é aí que se podem antever alguns acontecimentos», avançou.

O reforço deve ser feito em «cooperação internacional das polícias» e para o qual «os serviços de informação são decisivos», adiantou José Manuel Anes, explicando que essa cooperação não deve ser feita só a nível europeu, mas também com os Estados Unidos, já que o alegado autor dos atentados «participava em grupos de discussão com alguns grupos extremistas de direita norte-americanos».

Para o presidente do OSCOT, uma das questões preocupantes neste caso é o facto de o alegado autor dos atentados se assumir como templário.

«Há um pequeno conjunto de neo-templários americanos que tem dito que é preciso passar à acção e pegar em armas contra a jihad silenciosa, isto é, a imigração. E é neste universo que ele se tem movimentado», sublinhou.

«Penso que o tanto o FBI como as polícias europeias, sobretudo a inglesa e a alemã, já estão há muito tempo atentas, mas agora deve haver uma cooperação internacional para se detectar alguma movimentação mais perigosa», concluiu.

Partilhar
FOTOGALERIA:
Ataque terrorista na Noruega

Ataque terrorista na Noruega - EPA/Holm Morten EM CIMA: Ataque terrorista na Noruega - EPA/Holm Morten

Urgência de Neurologia em Aveiro vai fechar
PCP responsabiliza Governo por «situação absurda» na urgência de neurologia de Aveiro
Acidente com ambulância condiciona A24
O acidente ocorreu às 07:50, no sentido Vila Real - Lamego
Comissão Europeia diz que Governo tem de avaliar riscos do amianto
Ambientalistas alertam para a falta de vigilância dos trabalhadores do Estado expostos ao amianto
EM MANCHETE
Guiné Equatorial aceite na CPLP
País entrou por consenso sem que tenha havido uma votação. Teodoro Obiang deve explicar os passos já dados e previstos para cumprir as condições de adesão
«Crato conseguiu vitória com truque bastante ordinário»
RioForte avança com pedido de falência no Luxemburgo