A Ordem dos Médicos manifestou, esta terça-feira, ao Presidente da República preocupação com a emigração dos médicos e com os cortes no setor, que estão a dificultar o acesso dos utentes aos cuidados de saúde.

O Presidente da República, Cavaco Silva, recebeu hoje a Ordem dos Médicos para cumprimentar a nova direção.

O bastonário da Ordem dos Médicos, José Manuel Silva, aproveitou o encontro para manifestar as suas preocupações com os cortes na saúde e relembrar novamente que a emigração de jovens médicos, que se formam em Portugal e no Serviço Nacional de Saúde (SNS), está a aumentar.

«A emigração médica é uma realidade e condiciona o acesso dos utentes ao SNS», disse aos jornalistas no final do encontro, destacando que, apesar de Portugal não estar a formar menos médicos, há cada vez menos profissionais de saúde porque muitos reformaram-se mais cedo e outros estão a emigrar.

José Manuel Silva defendeu a necessidade de «parar este fluxo de emigração, para os médicos se fixarem em Portugal», e destacou que o Estado está a gastar dinheiro para formar jovens médicos, que depois emigram.

Questionado sobre o número de médicos que já emigraram ou estão a emigrar, o responsável disse não os ter atualizados, mas saber que esse número está a aumentar.

Os cortes na área da saúde, designadamente nos orçamentos dos hospitais, foi outra das preocupações apresentadas pelo bastonário ao Presidente da República.

Para o bastonário, os cortes «têm conduzido à dificuldade de os hospitais responderem às necessidades dos doentes», o que se torna mais evidente em alturas de grande afluxo, como nos períodos de gripe.

«A austeridade reflete-se negativamente na resposta e acessibilidade ao SNS», criticou.

Como aspetos positivos, José Manuel Silva destacou a redução do custo com os medicamentos e o combate às fraudes na saúde, embora lamentando, neste último caso, que este tipo de atuação não se estenda a outras áreas da sociedade.