Os advogados do ex-primeiro-ministro já reagiram em comunicado à acusação divulgada pelo Ministério Público da Operação Marquês. Segundo a defesa, o documento “é um romance” e surge depois de terem sido ultrapassados todos os prazos da lei”. Os dois advogados dizem ainda que vão usar "todos os meios" para derrotar a acusação. 

“Esta acusação surge depois de largamente ultrapassados todos os prazos da lei e, visivelmente, destinada a reanimar, a alimentar e a expandir a suspeição lançada sobre a pessoa e a ação de um ex-Primeiro-Ministro e do seu Governo”, lê-se.

Os advogados adiantam também que “irão usar todos os meios do direito para derrotar, em todos os terrenos, essa acusação infundada, insensata e insubsistente”.  João Araújo e Pedro Delille dizem que “num primeiro relance, trata-se de um romance, de um manifesto, vazio de factos e de provas, pois não pode ser provado o que nunca aconteceu. Trata-se de retomar e desenvolver os mesmos temas numa iniciativa de grande espetáculo”.

Por fim, a defesa lembra que com a acusação “cessam os poderes de direção do processo pelo Ministério Público” e que agora o processo “ficará sujeito ao controlo jurisdicional por juiz competente, isento e imparcial”. 

O Ministério Público acusou hoje José Sócrates de 31 crimes de corrupção passiva de titular de cargo político, branqueamento de capitais, falsificação de documentos e três de fraude fiscal qualificada.