A Polícia Judiciaria deteve 15 indivíduos por suspeitas de corrupção na II Liga de Futebol. Ao que a TVI apurou, a operação decorreu em vários pontos do país. Os detidos serão presentes a tribunal na segunda-feira.

A operação "Jogo Duplo", foi desencadeada por uma denúncia da Federação Portuguesa de Futebol, que entregou vários documentos em março à Polícia Judiciária e ao Ministério Público. 

Neste sábado realizou-se o último jogo do campeonato para as duas equipas da II Liga de Futebol. No final do encontro entre o Atlético e o Oriental Clube de Lisboa, no estádio Tapadinha, a equipa vencedora tinha à sua espera uma Operação da Unidade de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária (PJ). As detenções foram feitas pela Policia Judiciária depois de o clube ter vencido o Atlético por 3-2 no dérbi lisboeta.

A TVI assistiu à detenção de três jogadores do Oriental Clube de Lisboa, que foram levados para interrogatório ao abrigo de uma investigação policial. A equipa da PJ, com pelo menos cinco inspectores, aguardou que os jogadores do Oriental saíssem do balneário. João Pedro, defesa, foi o primeiro a ser abordado. Seguiu-se André Almeida, também defesa, e por último o guarda-redes Rafael Veloso. Segundo apurou o site Maisfutebol, foi detido também um outro jogador, Diego Tavares, que se encontrava no local a assistir à partida.

Segundo o jornal "O Jogo", para além dos quatro jogadores do Oriental, a operação policial levou à detenção de quatro jogadores da Oliveirense, entre os quais o guarda-redes e defesas. No final do final do Oliveirense-Leixões, acabaram detidos o presidente e diretor desportivo Carlos Oliveira e Nuno Silva, respectivamente. 

O Oriental terminou a II Liga no penúltimo lugar e foi despromovido ao Campeonato de Portugal, terceiro escalão. O Leixões festejou a permanência na II Liga portuguesa ao vencer fora a Oliveirense (1-2), que já estava despromovida.

A operação "Jogo Duplo" é um processo que investiga suspeitas de corrupção no futebol. Alegadamente,  jogadores e dirigentes terão recebido dinheiro para prejudicarem os resultados dos jogos das suas equipas, em luta pela despromoção. O Oriental terminou a II Liga no penúltimo lugar e foi despromovido ao Campeonato de Portugal, terceiro escalão.

“No âmbito de um inquérito dirigido pelo Ministério Público, que corre termos na 9.ª Secção do DIAP de Lisboa, realizam-se diligências de investigação em vários pontos do país, tendo sido efetuadas mais de uma dezena de detenções”, refere um comunicado da Procuradoria Geral da República sobre a operação designada ‘Jogo Duplo’.

Neste processo investigam-se “factos suscetíveis de integrarem crimes de corrupção passiva e ativa na atividade desportiva”, envolvendo como suspeitos “dirigentes e jogadores de futebol” e outras com “ligações ao negócio das apostas desportivas”, adianta o comunicado.

Os detidos são suspeitos de “manipulação de resultados de jogos da II Liga de Futebol, com recurso ao aliciamento de jogadores”, esclarece ainda o comunicado.

A investigação é dirigida pelo Ministério Público, o qual tem a coadjuvação da Polícia Judiciária, sendo que o “inquérito encontra-se em segredo de justiça”.

O presidente do clube, José Nabais, disse ao jornal A Bola que será prestado todo o apoio aos atletas detidos e garante: "É tudo estranho. Assisti aos jogos todos".

Em comunicado após a operação policial em campos da II Liga, a Liga de Clubes confia nas autoridades e apela à «tranquilidade».