A Marinha e a Autoridade Marítima Nacional alertaram, esta sexta-feira, para o agravamento do estado do mar nos próximos dias, com a previsão de uma ondulação "excecionalmente" forte na noite de sábado e manhã de domingo.

Em conferência de imprensa, o tenente Quaresma dos Santos, do Instituto Hidrográfico, avançou que este tipo de ondulação é "excecional" e só ocorre "duas ou três vezes por ano", o que leva a que algumas barras que tradicionalmente não são fechadas venham a encerrar.

O tenente Quaresma dos Santos adiantou que o pico da agitação marítima vai ocorrer na noite de sábado e madrugada de domingo, atingindo toda a costa Oeste, sendo o Algarve a região menos afetada.

O mesmo responsável disse que as ondas vão alcançar, durante esse período, 10 metros de altura, podendo chegar aos 15 metros.

Em declarações à TVI, o comandante Fernando da Fonseca, porta-voz da Autoridade Marítima, explicou que o estado do mar já sofreu um grande agravamento, nas últimas horas, mas a situação deverá piorar “no período da noite de sábado para a madrugada de domingo”.

Aí sim, vamos ter um período em que a ondulação vai ser alta, na ordem dos 12 ou 13 metros, ondulação muito comprida e que vai chegar à nossa costa com bastante intensidade.”

 

A altura significativa, rondará entre os oito e os 12 metros. Poderá eventualmente ocorrer alguns picos até aos 15 metros. Tendo em conta uma maré um pouco mais alta do que o normal, poderá acontecer galgamento das zonas mais baixas costeiras, o que normalmente não acontece.”

Na Madeira, já estão seis barras fechadas e sete condicionadas, mas “com a ondulação mais forte e com a rotação da ondulação”, prevê-se que outras barras poderão fechar, de acordo com a Autoridade Marítima.

As autoridades voltam a alertar para que se evite uma aproximação do mar, nomeadamente para se tirarem fotografias e lembram que “uma imagem pode valer mais do que mil palavras, mas não vale seguramente mais do que uma vida”.

Também quem vive do mar deverá munir-se de alguns cuidados. Nomeadamente os pescadores devem evitar ir para o mar e acatar as indicações das capitanias e, “no caso de as barras estarem abertas, devem ponderar se vale a pena ir para o mar”.

 

Passada a depressão, mais instabilidade

 

Para o fim de semana que se aproxima, o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) prevê um agravamento do estado do tempo. Além da forte agitação marítima, o IPMA prevê muita chuva, muito vento e até neve.

Vamos continuar com esta situação de grande instabilidade. O vento vai estar forte, a precipitação, temporariamente também vai ser forte, a agitação marítima também forte e com um episódio de neve na noite de sábado para domingo e depois novamente neve na noite de domingo para segunda-feira, nas terras altas da região Norte e Centro”, adianta a meteorologista Paula Leitão.

“A depressão [Félix] encontra-se ainda bastante longe, no Atlântico, mas tem uma área de influência bastante grande. É por causa dessa depressão que estamos a sentir este vento muito forte, que se fez sentir durante a manhã de hoje”, acrescenta.

De acordo com a meteorologista, durante a tarde desta sexta-feira, a situação deverá melhorar ligeiramente, mas volta a piorar durante a noite e madrugada de sábado, voltará a melhorar durante o dia de sábado, para voltar a piorar com a chegada da noite de sábado. Prepare-se assim para “muita precipitação na região norte e centro durante a madrugada e manhã de domingo”.

E depois de a depressão Félix deixar o território nacional, não conte com grandes melhorias.

Depois desta depressão passar, há outras que se formam e vão afetar o território continental, dos Açores e da Madeira. Toda a próxima semana vai ser de grande instabilidade, com céu muito nebulado e precipitação temporariamente forte.”