Um total de 7,4 milhões de mortes prematuras por tabaco serão evitadas em 41 países até 2050 graças às medidas de controlo adotadas entre 2007 e 2010, nomeadamente ao aumento dos impostos, decisão que por si só salvará metade dessas vidas.

Este dado é revelado hoje pelo primeiro estudo sobre os efeitos concretos das medidas antitabaco na taxa de mortalidade atribuída a esse vício depois da entrada em vigor do Convénio para o Controlo do Tabaco em 2005.

Segundo o estudo, uma subida de 75 por cento nos impostos sobre o tabaco evitaria quase metade das 7,5 milhões de mortes prematuras pelo tabagismo, ou seja, mais de 3,5 milhões.

Uma evidência que, por outro lado, a indústria tabaqueira tenta negar ao defender que os ajustes impostos não têm relação direta com uma diminuição do consumo e afirmar que só incentivam o tráfico ilegal.

Porém, os investigadores estabeleceram que uma subida dos impostos sobre o tabaco que preveja uma subida até 10 por cento do seu preço real provoca uma redução entre 4 e 18 por cento do número de consumidores, segundo um artigo científico publicado hoje no boletim da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Para chegar a estas conclusões, o estudo baseou-se, entre outros fatores, em que um de cada dois fumadores falece prematuramente por alguma doença ligada com o consumo direto ou indireto de tabaco.

Por essa lógica, calculou-se que nos 41 países que adotaram uma ou mais medidas antitabaco poderão evitar-se metade das 14,8 milhões de mortes previstas, ou seja, 7,4 milhões.

Entre as medidas mais eficazes, além do aumento dos impostos sobre o tabaco, estão a declaração de todos os espaços públicos e de trabalho completamente livres de fumo, as ajudas aos fumadores para que abandonem esse vício e as advertências sanitárias gráficas nos maços de cigarros.

Considera-se também uma das melhores medidas a que proíbe completamente a publicidade, promoção e patrocínio do tabaco.