Empresas e cidadãos que foram vítimas dos incêndios de domingo constituíram uma associação que vai ser criada no sábado, em Oliveira do Hospital, e que suscita adesões em vários municípios da região.

Numa nota enviada, esta sexta-feira, à agência Lusa, a comissão instaladora da Associação de Vítimas do Maior Incêndio de Sempre em Portugal informa que a apresentação pública do novo “movimento cívico” vai realizar-se, às 15:00, no pavilhão da empresa CSA, junto à empresa têxtil J. Guerra.

Esta unidade fabril, que empregava mais de 50 pessoas e que foi umas das instalações industriais destruídas pelo fogo, localiza-se na zona industrial de Oliveira do Hospital, no distrito de Coimbra, e foi visitada pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, na terça-feira.

A iniciativa “já mobiliza centenas de vítimas e lesados da catástrofe do último fim de semana na Beira Serra”, adiantam os promotores no comunicado.

Estes incêndios mataram dezenas de concidadãos, destruíram mais de mil casas de primeira habitação, afetaram largas centenas de postos de trabalho nos vários setores de atividade, destruindo ainda centenas de hectares de olivais, vinhas, culturas agrícolas e dezenas de milhares de animais em explorações pecuárias”, segundo a comissão instaladora.