Mais de uma centena de veículos estão a participar este sábado na marcha lenta na Estrada Nacional 125, entre Olhão e Faro, em protesto contra as demolições das casas consideradas ilegais nas ilhas-barreira da Ria Formosa.

A caravana automóvel partiu de Olhão por volta das 10:45 em direção à praia de Faro, zona onde também estão previstas mais de uma centena de demolições de casas consideradas ilegais.

Os moradores consideram que estão a ser discriminados pela sociedade Polis em relação ao tratamento dado a outros núcleos habitacionais no concelho de Olhão.

No caso do Farol, os proprietários foram notificados para abandonarem as casas até ao dia 24 de abril, estando a posse administrativa da sociedade Polis prevista para 27 de abril.

Nos Hangares o prazo previsto para a retirada dos bens é de 11 de maio com a posse administrativa marcada para dois dias depois.

Segundo os moradores daqueles dois núcleos habitacionais, em causa estão 156 construções nos Hangares e cerca de 270 no Farol.

A marcha lenta integra moradores de todos os locais onde estão previstas as várias centenas de demolições, que pretendem chamar a atenção do Governo e principalmente da sociedade Polis, no sentido de evitarem as demolições das construções, algumas das quais asseguram ser de primeira habitação.

A caravana automóvel com cerca de três quilómetros foi vigiada de perto por dezenas de agentes da autoridade, PSP e GNR, que conseguiram garantir alguma fluidez no trânsito entre as duas cidades.

Ao todo, já foram demolidas na Ria Formosa 212 constrições consideradas ilegais, na sua maioria nos ilhotes.