A Assembleia Municipal de Oeiras aprovou esta segunda-feira, por unanimidade, instituir o Prémio Municipal Maria de Jesus Barroso, em homenagem à antiga primeira dama e para "valorizar o papel dos professores na preparação das novas gerações".

A proposta de recomendação, apresentada pelo PS, sugere que o município possa instituir um "prémio anual a atribuir a professores das escolas do concelho, que se distingam, especialmente, na sua atividade docente, pela promoção dos valores da democracia, da tolerância, da solidariedade e da cidadania ativa, em termos a articular com as direções das escolas/agrupamentos".

A intenção, aprovada por unanimidade, pretende fazer uma "homenagem a uma grande mulher do nosso país" e "perpetuar a sua memória através do exemplo e da intervenção concreta no futuro das novas gerações".

"Em conformidade, os membros do Partido Socialista propõem que Assembleia Municipal de Oeiras recomende à Câmara Municipal de Oeiras a instituição do Prémio Municipal Maria de Jesus Barroso, perpetuando a memória do seu exemplo e valorizando o papel crucial e socialmente relevante dos professores das nossas escolas na preparação das novas gerações de cidadãos", lê-se na proposta que a Lusa teve acesso.

Maria de Jesus Barroso, mulher do antigo Presidente da República Mário Soares, era presidente da Fundação Pro Dignitate, foi fundadora do PS, partido pelo qual foi deputada, e dirigiu a Cruz Vermelha Portuguesa.

Foi também atriz, tendo trabalhado nos teatros Nacional D. Maria II, Villaret e São Luiz, e com os cineastas Manoel de Oliveira e Paulo Rocha, e dirigiu o Colégio Moderno, fundado pelo sogro, João Soares.