A Polícia Marítima suspendeu, nesta segunda-feira, as buscas para encontrar três possíveis desaparecidos na zona da foz do rio Douro, no Porto, depois de ter recebido um alerta de naufrágio que não foi confirmado, disse à Lusa fonte daquele organismo.

A fonte acrescentou que as autoridades não conseguiram encontrar qualquer indício de que o naufrágio da embarcação de recreio tivesse realmente ocorrido.

Já à tarde, o capitão do Porto do Douro e Leixões, Teixeira Pereira, referiu haver indícios de que se tratasse de um “falso alarme”.

Em declarações à Lusa, o responsável explicou que “face à incerteza e às más condições do mar”, a mobilização do navio patrulha oceânico “Figueira da Foz” para auxiliar nas buscas foi cancelada.

Contudo, a Polícia Marítima continuava na altura a fazer patrulhas para ver se existiam indícios ou destroços de alegado naufrágio da embarcação de recreio, que poderia chamar-se “Odivelas”.

Segundo o capitão Teixeira Pereira, o nome do navio “Odivelas” não foi encontrado na lista de registos, não havendo sequer um nome parecido, e também não se recebeu sinal da embarcação a emitir pedido de socorro.

“São vários indicadores que levam a pensar em falso alarme”, acrescentou.

Um helicóptero da Força Aérea e meios da Marinha realizaram hoje buscas próximo da foz do rio Douro após o alerta.

O porta-voz da Marinha, Paulo Vicente, contou à agência Lusa que o alerta chegou ao Centro de Coordenação de Busca e Salvamento Marítimo de Lisboa (MRCC Lisboa) por volta das 06:00, tendo um helicóptero EH-101 estado envolvido nas buscas entre as 08:00 e as 12:00, hora em que regressou à Base Aérea do Montijo para reabastecer.

(foto arquivo)