A Assembleia Municipal de Lisboa (AML) aprovou esta terça-feira, em sessão plenária, um parecer sobre o projeto de requalificação da Segunda Circular, que recomenda à autarquia o aumento dos transportes públicos naquela via da cidade.

Na ordem de trabalhos da reunião de deputados municipais constava a discussão e apreciação de um parecer conjunto das comissões de Urbanismo, Ambiente e Mobilidade, que foram chamadas a pronunciar-se sobre o relatório resultante de um debate promovido pela AML com especialistas em mobilidade, ambiente e aviação.

Nesse parecer, aprovado por unanimidade, os deputados recomendam “o aumento da oferta de serviços de transportes públicos na Segunda Circular, juntamente com a Transportes de Lisboa e Área Metropolitana de Lisboa”, com vista a “otimizar, em termos de tempo, custo e qualidade do serviço”, as deslocações entre a capital e os concelhos limítrofes.

O documento prevê também a promoção de um estudo “de avaliação do impacto da introdução faseada de um elétrico rápido, ou metro de superfície, que ligue os interfaces de transportes, aproveitando o corredor da Segunda Circular”.

Intervindo durante a discussão do parecer, a deputada do PCP Ana Páscoa defendeu “que o problema do trânsito se resolve com a melhoria da oferta de transportes públicos”, acrescentando que “a mobilidade na cidade deve ser resolvida em conjunto com a Área Metropolitana e negociada com o Governo”.

Já Cláudia Madeira, do PEV, considerou que uma linha de metro de superfície que ligue “o aeroporto à estação de comboios de Benfica” pode “fazer a diferença entre ter mais um projeto ou resolver os problemas de uma vez”.

Para o PSD, “é preciso que a AML acompanhe todo o processo, de modo a que qualquer fuga ao objetivo principal possa ser corrigida a tempo”.

O acompanhamento da intervenção e o reforço dos transportes públicos foram recomendações também acompanhadas pelo Bloco de Esquerda.

O vereador do Urbanismo anunciou durante a sessão que “a primeira empreitada lançada de imediato” após a deliberação da AML, pelo que a “segunda será lançada após a reunião de câmara de dia 16 de março”.

Manuel Salgado congratulou-se com o “intenso debate que aconteceu à volta deste processo”, e que resultou em alterações feitas ao projeto inicial, nas quais se contemplam “a introdução de um sistema de retenção de veículos” ou a “revisão e correção do traçado geométrico em determinadas inserções”, estando ainda previstas as “reformulações de alguns nós”, como o da Buraca ou Sacavém.

Com o intuito de melhorar a fluidez do tráfego e conferir mais segurança à Segunda Circular, a maioria PS no município propôs-se a requalificar a via, o que passa por diminuir o tráfego de atravessamento, através da reformulação de alguns acessos e dos nós de acesso, e por reduzir a velocidade de 80 para 60 quilómetros/hora.

O município quer também criar um separador central maior e arborizado, reduzir a largura da via da direita, montar barreiras acústicas reabilitar a drenagem e do piso e renovar a sinalética e a iluminação pública.

Orçadas em 12 milhões de euros, as obras devem iniciar-se em junho, durando 11 meses.