José Manuel Paquete de Oliveira morreu este sábado, no Hospital da Luz, em Lisboa, vítima de doença prolongada. Tinha 79 anos. 

Internado já há alguns dias, o sociólogo pediu a presença do Padre Jardim Gonçalves, que o acompanhou nos últimos momentos. 

O corpo de José Paquete de oliveira vai estar em câmara ardente a partir das 19:00 deste sábado e o funeral realiza-se no domingo. 

"Muitas vezes já pensei em escrever uma nota curricular sob este título: 'Fisicamente, morre-se uma única vez; socialmente, podemos morrer e nascer várias vezes'.", lê-se na nota de perfil quando aceitou ser provedor do leitor do jornal Público.  

Marcelo Rebelo de Sousa já “lamentou a morte de José Manuel Paquete de Oliveira”, que constitui “uma perda para a comunidade académica e para o mundo da comunicação social portuguesa” e recorda que, enquanto Provedor, “foi a voz de leitores e telespectadores”.

“Paquete de Oliveira deixa um contributo incontornável no jornalismo, na universidade, na investigação relativa aos mass media”.

Também o presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, lamentou a morte do sociólogo, de quem era amigo e colega no ISCTE e que recordou como um "construtor de respostas".

"O presidente da Assembleia da República lamenta profundamente a morte do doutor Paquete de Oliveira. Era um amigo, um colega, homem muito sério e rigoroso, e um construtor de respostas", transmitiu à Lusa fonte oficial do gabinete de Ferro Rodrigues.

Presença constante nos media em Portugal

Paquete de Oliveira, que completaria 80 anos em 20 de outubro próximo, exercia atualmente as funções de provedor do leitor no diário Público, e tinha sido anteriormente provedor do telespetador na RTP- Radio e Televisão de Portugal de 2006 a 2011.

Natural do Funchal, era professor emérito do ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa, do qual se jubilara em 2006.

Doutorado em 1989, em Sociologia da Cultura e da Comunicação, através do ISCTE pela Universidade Técnica de Lisboa, coordenou diferentes projetos científicos internacionais, designadamente, “Os Media e a construção de representações dos 'géneros' na realidade social portuguesa” (2004/06), da faculdade de Ciência e Tecnologia de Lisboa, “SARTRE III Social attitudes to Road Traffic Risk in Europe”, da Comissão Europeia, (2003/04), “The Global Public Arena, the Media and the Information Society”, UNESCO (2000/02), “A Sociedade de Informação em Análise – Internet, Interfaces do Social”, da Fundação para a Ciência e Tecnologia, PRAXIS XXI (1997/99), e o projeto Intercomunitário “MSSTUDY II - O Mercado de Serviços Eletrónicos de Informação em Portugal / Study on Assessing the Situation of the Markets of Electronic Information Services in the European Area”, da Comissão Europeia, (1998/99).

Coordenou também os projetos “Television broadcasting in Mediterranean countries”, do Consiglio Italiano per le Scienze Sociali (1982/84), “Mass Media e produção da realidade: Telejornais e jornais de referência dominante”, do Research Commitee on Communication, Knowledge and Culture da International Sociological Association (1983/86, entre outros.

Além do Jornal da Madeira, colaborou com o Diário de Notícias, do Funchal, Comércio do Funchal, Diário de Notícias, de Lisboa, Diário de Lisboa, Público, Jornal de Notícias e os semanários O Expresso e O Jornal.

Entre as várias funções que desempenhou era, desde 2013, presidente do Conselho Geral da Universidade da Beira Interior, fez parte do Conselho Geral da Universidade da Madeira (2008/12), e do Conselho Estratégico da Universidade do Minho (2005/2008).

Paquete de Oliveira Docente na área de Sociologia da Comunicação da Licenciatura em Sociologia no ISCTE (1977-2006), tendo feito parte do conselho científico deste instituto de 1989 até 2006.

O sociólogo foi vice-presidente do ISCTE entre 2000 e 2003 e de 2005 a 2006.

Membro da International Sociological Association, desde 1982, fundou a revista do Centro de Investigação e Estudos de Sociologia do ISCTE, Sociologia – Problemas e Práticas, tendo sido seu diretor de 1986 a 1989.

Fez parte do Conselho Consultivo do Instituto Civil de Autodisciplina da Publicidade (1998/2003) e do Conselho Consultivo da Comissão Nacional da UNESCO (1999/2002).

Dos vários títulos que publicou refira-se, entre outros, “Media e crime”, em parceria com Verónica Policarpo, “A Casa da Suplicação – Os ‘Lugares’ e ‘não lugares’ da Justiça, Tribunal da Relação de Lisboa. Uma Casa da Justiça com Rosto”, “A Madeira na História. Ensaios sobre a Pré-Autonomia”, “Comunicação, Cultura e Tecnologias da Informação, em coautoria Gustavo Cardoso e José Barreiros, e “A Democracia, os ‘Media’", de acordo com a Lusa.