O físico e divulgador científico António Manuel Baptista morreu no sábado aos 91 anos, tendo deixado vasta obra na área da investigação, anunciou hoje a família.

Professor de Física e de Medicina Nuclear, António Manuel Baptista foi diretor do Laboratório de Isótopos do IPO (Instituto Português de Oncologia) de 1961 a 1983 e trabalhou no Medical Research Council e no Royal Câncer Hospital de Londres.

Graduado da International School of Nuclear Science and Engineering (Laboratório Nacional da Argonne - EUA), os seus trabalhos de investigação distribuem-se por várias áreas, entre as quais Eletroquímica, Física dos Neutrões, Aplicação e Isótopos em Medicina, medidas de Radioatividade, Medicina Nuclear, Física Médica e Radioterapia.

Publicou estudos e artigos em várias revistas científicas internacionais e desde 1961 desenvolvia programas de divulgação científica na rádio, na televisão e na imprensa, que lhe mereceram os prémios de Imprensa (1969) e de Televisão (1981).

O corpo de António Manuel Baptista está hoje, a partir das 17:00, na Igreja de São João de Deus, na Praça de Londres, em Lisboa e o funeral seguirá, na segunda-feira à tarde, para Almeirim, sua terra natal.