O artista plástico e galerista Carlos Barroco, de 69 anos, faleceu no domingo numa unidade hospitalar em Lisboa, vítima de doença prolongada, disse hoje à agência Lusa fonte próxima da familia.

De acordo com João Prates, do Centro Português de Serigrafia (CPS), o artista faleceu no domingo de manhã, e o corpo encontra-se hoje em câmara ardente na Basílica da Estrela, de onde sairá o funeral na terça-feira, às 15:00, para o Cemitério dos Olivais.

Nascido em Lisboa, em 1946, Carlos Barroco frequentou a Escola de Artes António Arroio, na capital, e começou a expor os seus trabalhos em pintura a partir de 1974.

Fundou nos anos 1980 a Galeria Novo Século, em Lisboa, onde lançou artistas emergentes.

Além da pintura, trabalhou ainda a instalação, performance e obras em multimédia, tendo participado em exposições coletivas em Portugal, Cabo Verde, Japão, Bélgica, Espanha, Canadá, e França.

Dedicou-se ainda ao colecionismo de brinquedos - parte deles incluídos no Museu do Brinquedo de Seia, no distrito da Guarda - e à arte postal, sobre a qual realizou várias exposições.

A sua obra está representada, entre outras, na coleção de arte da Caixa Geral de Depósitos, em Lisboa, e no Museu de Arte Moderna de Vila Nova de Cerveira.