O arquiteto Nuno Teotónio Pereira morreu esta quarta-feira, em Lisboa, aos 93 anos, confirmou à TVI24 uma fonte familiar. O arquiteto completaria 94 anos no próximo dia 30.

De acordo com a mesma fonte, o velório do arquiteto realiza-se na Igreja do Sagrado Coração de Jesus, a partir das 17:00 de quinta-feira. O funeral está marcado para sexta-feira, às 13:30, da Igreja do Sagrado Coração de Jesus para o Cemitério do Lumiar, em Lisboa. 

A Igreja do Sagrado Coração de Jesus foi projetada por Nuno Teotónio Pereira, com o arquiteto Nuno Portas, e foi distinguida com o Prémio Valmor em 1975.


VEJA TAMBÉM:

Cavaco Silva: Teotónio Pereira foi "um dos maiores arquitetos portugueses"

Teotónio Pereira: "Arquiteto admirável e um anticolonialista"


 
Nascido em Lisboa, em 1922, formou-se em arquitetura pela Escola de Belas Artes de Lisboa, é autor e coautor de dezenas de projetos e foi também um histórico defensor de direitos cívicos e políticos durante o regime salazarista.

Do ponto de vista cívico e político, Nuno Teotónio Pereira foi também um dos militantes mais destacados do movimento dos chamados “católicos progressistas”. Chegou a estar preso em Caxias e, a seguir ao 25 de Abril, teve uma intensa atividade política no MES (Movimento de Esquerda Socialista).

Autor de várias obras espalhadas pelo país, foi, por exemplo, coautor da Igreja do Sagrado Coração de Jesus, em Lisboa, que recebeu o prémio Valmor da Câmara Municipal e classificado desde 2010 como monumento nacional. Foi também com Nuno Portas e Pinto de Freitas que assinou o projeto de habitação social para Olivais Norte, em Lisboa. O primeiro grande projeto, na carreira de mais de 60 anos, foi a Igreja de Penamacor.
 
Em abril de 2015, Nuno Teotónio Pereira foi distinguido com o Prémio Universidade de Lisboa 2015 pelo exercício “brilhante” na área da arquitetura e como “figura ética”.
 
Nuno Teotónio Pereira foi também um dos responsáveis pelo Inquérito à Arquitetura Popular Portuguesa, um levantamento realizado em todo o país, a partir de 1949, que mostrou a diversidade de estilos e tradições das diferentes regiões de Portugal.