As cerimónias funebres do pintor e arquiteto Nuno San-Payo, que faleceu quinta-feira em Lisboa, aos 88 anos, vítima de doença, vão realizar-se esta sexta-feira à tarde no Cemitério dos Olivais, onde será cremado, disse fonte familiar.

Às 13:45 será celebrada uma missa na Basílica da Estrela, em Lisboa, onde o corpo esteve em câmara ardente e as cerimónias fúnebres terão lugar às 15:00 nos Olivais, adiantou a fonte.

Natural de Lisboa, Nuno San-Payo licenciou-se em arquitetura, frequentando a Escola de Belas Artes, tanto da capital como do Porto.

Filho do fotógrafo San-Payo, o artista plástico foi presidente da Direção da Sociedade Nacional de Belas-Artes, entre 1973 e 1979, e presidente da Assembleia-Geral da mesma instituição, de 1979 a 2002.

Uma exposição antológica do pintor está patente até 24 de agosto, no Museu do Neorrealismo de Vila Franca de Xira.

Nuno San-Payo iniciou-se no desenho, mas a sua arte preferida foi a pintura, expondo desde 1948 na Sociedade Nacional de Belas-Artes.

Figurativo-expressionista, no começo da década de 1950, passou depois para um abstracionismo geométrico, realizando, nos anos 1970, pinturas neofigurativas inspiradas em fotografias em alto contraste, a representar cenas da vida quotidiana.

Na década seguinte, abandonou a arquitetura e dedicou-se exclusivamente à pintura, em trabalhos apoiados na estrutura da natureza-morta.