Mais de 30% das crianças portuguesas entre os 12 meses e os três anos têm excesso de peso e 6,5% são obesas, segundo dados de um estudo que avaliou mais de 2200 crianças representativas da população.

Trata-se do primeiro estudo nacional que avalia hábitos e comportamentos alimentares em crianças em idade pré-escolar, que envolveu quase três dezenas de investigadores, cujos resultados foram hoje divulgados em Lisboa.

Segundo a investigação, as crianças portuguesas apresentam um potencial genético de crescimento sempre inferior à média mundial, mas relativamente ao peso com valores acima da referência da Organização Mundial de Saúde.

De acordo com Carla Rêgo, coordenadora deste projeto, quanto menor é a estatura mais fácil será desenvolver, num ambiente seja propício, excesso de peso e obesidade, com os investigadores a preocuparem-se por este ambiente começar a expressar-se tão cedo como são os três primeiros anos de vida de uma criança.

A partir dos 12 meses, as crianças estudadas registaram um consumo de energia (calorias) superior ao que é recomendado e o consumo de proteína mostrou-se o dobro do que é adequado, particularmente devido a uma grande dependência do leite de vaca.

Já os pais dos meninos, com uma média de idades de 34 anos, registaram uma «preocupante prevalência de excesso de peso ou obesidade», sendo de 38% nas mulheres e de 61% nos homens, acima da média nacional.