A TVI localizou no Brasil mais uma criança portuguesa que desapareceu do lar da Igreja Universal do Reino de Deus e foi levada ainda bebé de meses por um pastor da IURD para o estrangeiro.

Paulo Edir, assim batizado em homenagem ao bispo Edir Macedo, cresceu no Brasil a esconder-se das autoridades por ter documentos falsos.

Quando viu no Youtube a investigação da TVI "O Segredo dos Deuses" percebeu, depois de 24 anos à procura das suas raízes, que esta podia ser a sua verdadeira história.

A TVI falou com Paulo Edir, que se encontra no Rio de Janeiro.

A polícia e as assistentes sociais iam buscar-me a casa. Estive vezes demais em lares", contou.

Paulo Edir esteve poucos dias no lar da IURD. Desapareceu de Camarate em 1994, ainda bebé de meses, pela mão de Marilene e do seu marido, o pastor Airton Brovini, e só foi adotada no Brasil, muitos anos depois, já com 18 anos.

Quando viu a investigação da TVI, percebeu que aquela também era a sua história. Foi um amigo que lhe enviou o link do YouTube com a reportagem.

A mãe brasileira, Marilene, sempre lhe disse que tinha sido adotado no lar da IURD em Portugal, mas nunca compreendeu porque é que tinha documentos falsos, porque é nunca viajou para fora do Brasil (e mesmo no Brasil viajava sempre de carro) e porque é que a policia brasileira ia buscá-lo a casa e o colocava em lares de crianças em risco.

Ao ver a reportagem da TVI percebeu toda a verdade, uma verdade que vamos contar em pormenor esta sexta-feira no Jornal das 8, da TVI.

Esta criança foi entregue no lar da IURD pela mãe biológica, que já morreu, mas terá engravidado fora do casamento. 

Em Portugal, as pessoas que podiam conhecer este segredo já morreram. Os que restam da sua família biológica - uma irmã, dois meio-irmãos e uma tia-avó – todos ficaram surpreendidos com a notícia da TVI.

Paulo Edir foi registado em nome da mãe biológica, Teresa, e do homem de quem se tinha separado, mas que a família garante não poder ser o seu pai biológico.

Paulo terá vivido com documentos falsos em São Paulo, tal como alerta a decisão da adoção. O tribunal brasileiro interrogou-se sobre como foi possível esta criança ter saído de Portugal e pediu informações sobre os pais do menor ao consulado português, que, estranhamente, nunca chegou a localizar os pais ou familiares do menor.

O Ministério Público brasileiro opôs-se à decisão de adoção, mas Paulo Edir, uma criança portuguesa, acaba adotada no Brasil.

Quando tinha três anos, o pai morre e, num ataque de raiva, a sua mãe queimou todas as coisas do marido no jardim da casa.