“É algo que possivelmente é histórico, possivelmente tem a ver com as nossas raízes, com a nossa vida pelo mundo, mas essa tolerância pela diversidade não é muito comum em todos os países e julgo que isso deve ser valorizado”, sublinhou.


“Julgo que não se devem separar as duas coisas porque se a escola for, hipoteticamente, uma escola muito tolerante, muito integradora das diversas experiências, mas se não oferecer aos alunos um ambiente de trabalho, um ambiente de respeito pelo conhecimento e de procura de mais conhecimento de integração na vida ativa, a escola está a falhar”, realçou o governante.