As médias dos exames nacionais da primeira fase melhoraram a Português e Matemática. História da Cultura e das Artes e Física e Química tiveram as piores e únicas médias negativas.

"É de registar o facto de as médias das classificações dos vários exames relativas aos alunos internos serem todas superiores a 95 pontos", segundo a informação prestada pelo gabinete do ministro da Educação. 

De resto, só Matemática Aplicada às Ciências Sociais, Inglês, Geografia e Latim é que desceram a média.

Nas restantes disciplinas, houve subidas nesta primeira fase, conforme se pode facilmente ver no quadro seguinte:

Ministério da Educação

A tutela destaca a subida da classificação média, em 11 pontos, na disciplina de Economia A, pela positva. Pela negativa, a diminuição da classificação média nas disciplinas de MACS, em 13 pontos, e de Física e Química A, em 12 pontos.

No balanço da primeira fase, ficamos a saber também que à exceção da disciplina de Inglês, com maioria de alunos autopropostos, "verifica-se, à semelhança dos anos anteriores, que os alunos internos obtêm classificações mais elevadas do que as alcançadas pelos alunos autopropostos".

Continuam a haver diferenças mais significativas nas disciplinas de Matemática A, Matemática B e Geometria Descritiva A.

A taxa de reprovação aumentou em Física e Química A em 3 pontos percentuais a a MACS em 2 pontos percentuais.

As candidaturas ao ensino superior arrancam a 19 de julho. Para quem vai à segunda fase, os exames decorrem de 19 a 24 de julho.

Outros números

Na primeira fase, contabilizaram-se 359.550 inscrições num total de 22 provas possíveis, mas foram efetivamente realizados menos exames - 332.340 do total. Seja como for, houve um aumento em 2.500 no número de provas realizadas face ao último ano letivo.

Português foi a disciplina com mais provas realizadas (76.643), logo seguida por Matemática A (49.298), Biologia e Geologia (47.215) provas, e Física e Química, com 43.007 provas.

As provas foram vigiadas por 10.000 docentes e corrigidas por 7.092.

Os exames nacionais foram realizados em 647 escolas em Portugal Continental e nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira, bem como nas escolas no estrangeiro com currículo português.