O Ministério Público (MP) acusou quatro pessoas por envolvimento em assaltos a carrinhas de valores na região Norte durante os anos de 2015 e 2016, informou hoje a Procuradoria-Geral Distrital do Porto.

Na acusação, o MP associa elementos deste grupo a assaltos em Vale de Cambra (5 de maio de 2015), Matosinhos (1 de julho do mesmo ano), Braga (19 de agosto seguinte) e Canidelo, Gaia (23 de maio de 2016).

Em todos estes casos socorreram-se de automóveis roubados e atuaram empunhando armas de fogo, detalha.

Três dos arguidos, que estão em prisão preventiva, estiveram envolvidos em todos os assaltos descritos na acusação, refere a Procuradoria-Geral Distrital na sua página eletrónica, sendo que o quarto só terá participado no de Vale de Cambra, durante o qual não foi roubado qualquer montante.

Igualmente frustrado foi, “apenas por razões alheias à sua vontade”, o assalto de Canidelo, segundo o Ministério Público.

O plano deste grupo, alegadamente gizado pelos três arguidos em prisão preventiva, consistia em consumar os assaltos de carrinhas de transporte de valores “aproveitando o momento em que estas abasteciam caixas multibanco”.

Para tal, indica a acusação, “monitorizavam as referidas caixas multibanco, vigiando horários, percursos e rotinas das carrinhas de valores e consultando os registos de movimentos desde o último abastecimento monetário, para identificarem as caixas que estivessem na iminência de vir a ser abastecidas de novo”.

Três arguidos estão acusados pela prática de quatro crimes de roubo agravado, dois dos quais na forma tentada, oito crimes de furto qualificado e outros tantos de falsificação, um crime de recetação e um de ofensa à integridade física qualificada.

Um destes arguidos está ainda acusado da prática de um crime de detenção de arma proibida.

Um quarto arguido está acusado da prática de um crime de roubo agravado e de um crime de falsificação.