O cônsul honorário da Guiné-Bissau no Porto, José Manuel Pavão, lamentou esta segunda-feira a morte do Presidente guineense, joão Bernardo «Nino» Vieira, que considerou «um grande combatente» e «um homem corajoso e leal», refere a Lusa.

«Tínhamos uma relação muito próxima, fui médico da sua filha mais nova», contou o pediatra José Manuel Pavão, que assumiu o cargo de cônsul honorário da Guiné-Bisau em 2001.

José Manuel Pavão é também autor de uma biografia de «Nino» Vieira, em que relata o percurso desde os tempos da guerra colonial até 2005, quando regressou à Guiné depois de vários anos refugiado em Portugal.

«Lamento este desastre final e trágico, não só para a família e amigos, como também para a Guiné-Bissau», acrescentou.

O Presidente «Nino» Vieira foi assassinado hoje de madrugada por militares depois de no domingo, um atentado à bomba ter provocado a morte do Chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas, Tagmé Na Waié.