O presidente do centro de acolhimento Ninho dos Pequenitos alertou esta segunda-feira em Coimbra, que o futuro da instituição «é uma interrogação», devido à fusão da Maternidade Bissaya Barreto com a Maternidade Daniel de Matos.

O centro de acolhimento Ninho dos Pequenitos, criado nos anos 1930 pelo professor e político Bissaya Barreto, está inserido na Maternidade Bissaya Barreto (MBB), e, devido à fusão das maternidades através da criação do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), pode ter o seu «futuro em risco», avançou Vicente Souto, presidente da associação, à margem da entrega de um donativo da Águas de Coimbra à instituição.

As duas maternidades deverão passar para o espaço do Serviço de Psiquiatria dos Hospitais da Universidade de Coimbra, não havendo qualquer certeza da integração do Ninho dos Pequenitos.

Entretanto, segundo Vicente Souto, a associação precisava de «investir em algumas áreas».

Contudo, não o pode fazer devido à indefinição do futuro do centro de acolhimento.

O Ninho dos Pequenitos acolhe até 15 crianças dos zero aos seis anos de idade, que se encontram numa situação de maus-tratos, negligência ou falta de capacidades educativas da família, tendo como objetivo que as crianças saiam do espaço com uma família - a de origem ou adotiva.

A percentagem das crianças que vão para instituições é mínima, sendo que, em 2012, 11 seguiram o caminho da adoção, duas regressaram às suas famílias e apenas uma foi para uma instituição, sendo que as percentagens variam muito, segundo Albertina Costa, vice-presidente, afirmando que «há anos em que a maior parte vai para as famílias e noutros a maioria é adotada».

Pedro Coimbra, presidente do conselho de administração da Águas de Coimbra, entregou um donativo de mil euros, alguns cantis de água e livros para as crianças, no âmbito da estratégia de responsabilidade social da empresa municipal, considerando que o Ninho dos Pequenitos tem «um trabalho muito meritório e importante na comunidade».

A instituição sediada na Maternidade Bissaya Barreto apresenta despesas anuais na ordem dos 300 mil euros, tendo necessidade de apoio de entidades e particulares para a continuação do projeto iniciado na primeira metade do século XX.

O Ninho dos Pequenitos e o Centro de Acolhimento Temporário da Caritas são as únicas instituições no concelho que acolhem crianças dos zero aos seis anos de idade, recorda a Lusa.