A equipa que vai tentar virar o arrastão naufragado na terça-feira à entrada do Porto da Figueira da Foz está desde esta manhã no local, avançou o comandante Nuno Leitão, que espera que a operação fique concluída esta quinta-feira.

Em declarações à agência Lusa, o comandante do Instituto de Socorros a Náufragos (ISN), explicou que a empresa que vai tentar proceder à reflutuação do arrastão está desde esta manhã no local para começar os trabalhos de forma a garantir o desimpedimento da barra e, ao mesmo tempo, possibilitar que os mergulhadores forenses da polícia marítima e da armada possam aceder ao interior da embarcação.

“A empresa foi contratualizada pelo armador já que é ele quem tem a responsabilidade de garantir o desimpedimento da barra. Em simultâneo, os mergulhadores vão tentar aceder ao interior da embarcação, que se encontra envolta em redes, e aceder em segurança para poder fazer uma vistoria e se existirem corpos lá dentro recuperá-los”.


Este responsável explicou que as condições do estado do mar “melhoraram consideravelmente” hoje, ressalvando, no entanto, que a posição em que se encontra o arrastão “é complicada”, sobretudo com a ondulação existente.

“Atendendo que não se trata de um ponto fixo de acesso, toda esta área das buscas que se está a tentar fazer com as artes de pescas envolvidas no arrastão tornam estas operações complicadas, pois a visibilidade é nula”, sublinhou Nuno Leitão.

O comandante do Instituto de Socorros a Náufragos explicou ainda que as operações encerram em si algum risco, mas este é “calculado”, de forma que seja possível entrar em segurança no interior da embarcação para vistoriar e recuperar os quatro corpos desaparecidos, caso sejam encontrados.

Quanto ao tempo de duração que uma operação deste tipo pode ter, Nuno Leitão referiu que as operações de salvamento marítimo “são sempre uma incógnita e demoradas”, sublinhando que o objetivo é que a operação esteja concluída durante o dia de hoje.

“Não podemos dizer que vai demorar uma hora, duas, ou cinco horas. O nosso objetivo é tentar, até ao final do dia, conseguir aceder ao interior do arrastão em segurança”, frisou.

O arrastão Olívia Ribau naufragou pouco depois das 19:00 de terça-feira à entrada do Porto da Figueira da Foz, provocando a morte de um pescador. Quatro pescadores estão ainda desaparecidos e dois foram resgatados com vida.

Na quarta-feira dezenas de pescadores e familiares das vítimas concentraram-se à porta da Capitania do Porto da Figueira da Foz exigindo explicações à Autoridade Marítima, recusando a versão das autoridades sobre a operação de socorro que se seguiu ao naufrágio e exigindo um pedido de desculpas e a colocação da bandeira nacional a meia haste em sinal de luto e respeito.